sicnot

Perfil

País

Marques Mendes e Carlos Carvalhas com opiniões diferentes sobre mandato de Cavaco

Marques Mendes e Carlos Carvalhas com opiniões diferentes sobre mandato de Cavaco

Quanto a Cavaco Silva, que chega ao fim de 10 anos na Presidência, Marques Mendes faz uma avaliação positiva de um mandato cumprido em cirunstâncias difíceis. Já Carlos Carvalhas deixa duras criticas ao ainda chefe de Estado.

  • Carlos Carvalhas e Marques Mendes sobre futuro Presidente da República
    0:55

    País

    Dois antigos líderes partidários já perspectivaram o mandato do futuro Presidente da República. O social-democrata Luís Marques Mendes acredita que Marcelo Rebelo de Sousa vai levar para Belém uma postura de mediação e de proximidade com os portugueses. Já o antigo líder comunista, Carlos Carvalhas, pede que a Constituição seja respeitada e os interesses nacionais defendidos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".