sicnot

Perfil

País

Porto não tem participações de violência doméstica seguidas de homicídio há 3 anos

A procuradora Teresa Morais recordou hoje que no município do Porto não houve qualquer caso de homicídio por violência conjugal pelo menos nos últimos três anos, o que considerou dever-se a uma resposta imediata das autoridades.

SIC

"No município do Porto ainda não temos nenhum caso, isto é complicadíssimo de dizer, porque não sei se há daqui a uma hora ou duas, mas no município do Porto não temos ainda nenhum caso de homicídio por violência conjugal. Daí que eu acredito na tal mensagem que deve ser disseminada no sentido de as vítimas acreditarem em nós, e de os agressores pensarem com mais cuidado nesta resposta imediata", afirmou hoje Teresa Morais, procuradora da República da 1.ª Secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), do Porto.

Questionada pela Lusa à margem de um colóquio sobre "Violência Doméstica", que decorreu hoje no Porto, no âmbito do terceiro aniversário do projeto "Um Passo Mais", Teresa Morais disse acreditar que a rápida intervenção das autoridades é a melhor solução para combater a violência doméstica.

De 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2015, registaram-se 29 homicídios de mulheres e houve, nos últimos 12 anos, uma média anual de 36 mulheres mortas, disse, durante o colóquio, a procuradora-geral distrital do Porto, Maria Raquel Desterro.

O projeto "Um Passo Mais" registou nestes últimos três anos 2.707 inquéritos que deram entrada na 1.ª Secção do DIAP do Porto relacionados com violência doméstica, tendo sido efetuadas 7.617 diligências.

Dos milhares de diligências efetuadas foram sinalizados 1.128 processos de caráter "especialmente urgente" ou a inspirar "especiais cuidados", tendo sido cumpridos 305 mandados de detenção fora de flagrante delito.

No âmbito do projeto foram aplicadas 27 prisões preventivas, 97 buscas domiciliárias e 17 armas de fogo apreendidas.

Sem avançar números, a procuradora indicou que a Comarca do Porto era a que tinha registado participações por violência doméstica em todo o país, mais referiu que a mesma abrange vários municípios, desde Vila Nova de Gaia até Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde).

Para Teresa Morais, haver mais participações pode significar "mais consciencialização" numa primeira leitura.

As vítimas percecionam-se mais como vítimas, recorrem mais às instâncias formais, mas não nos esqueçamos que o crime de violência doméstica ao longo do tempo foi sucessivamente sendo alargado, começando na conjugalidade e já estamos nas relações de namoro, e portanto esta comparação com números mais antigos ao longo do ano pode ser uma comparação um bocado falaciosa e que pode gerar más interpretações. Por outro lado estamos em crer que esta perceção da vítima enquanto tal, cada vez mais tem ocorrido", explicou.

Para aquela procuradora, a maior preocupação é a minimização do risco para a vítima e muitas vezes a detenção do arguido fora de flagrante delito e a condução para primeiro interrogatório policial.

"A nossa grande preocupação é primeiro uma identificação das instituições que nos merecem mais cuidados, na minimização do risco para a vítima. Ou seja, a primeira intervenção é importantíssima, a partir daí depois o inquérito decorre com maior celeridade possível (...)", disse, observando que ainda é muito complicado "percecionar no momento as situações que são verdadeiramente de violência doméstica ou não".

Segundo Teresa Morais, as mensagens de resposta rápida -- entre 24 a 48 horas -- do sistema judicial está a passar para o público, criando-se uma "grande confiança às vítimas".

"Estas mensagens disseminam-se pelos colegas, pelos amigos, pelos vizinhos, e estamos em crer que os nossos bons resultados também têm a ver com esta mensagem que é disseminada de rapidez na primeira resposta", concluiu.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.