sicnot

Perfil

País

Trio acusado de matar em negócio de droga conhece acórdão na quarta-feira

Três arguidos, dois deles irmãos, acusados pelo Ministério Público (MP) de matarem um homem em janeiro de 2015, em Caneças, por causa de um negócio de droga, conhecem o acórdão na quarta-feira, no Tribunal de Loures.

Os três homens têm idades entre 31 e 36 anos e dois encontram-se em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Lisboa. Um dos arguidos é reincidente, pois já cumpriu pena de prisão efetiva por tráfico de droga.

Segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso, a vítima tinha consigo dois quilogramas de canábis, que pretendia negociar com os dois irmãos, uma vez que sabia que estes se dedicavam à venda de estupefacientes.

Após vários contactos, ofendido e arguidos marcaram um encontro junto à casa dos últimos, na noite de 15 de janeiro.

"Nesse dia, os arguidos já haviam formulado o plano de, caso o estupefaciente fosse do seu agrado, ficarem com o mesmo sem efetuarem o respetivo pagamento, acordando que, para o efeito, teriam de tirar a vida a Alexandre Sousa, de modo a que, mais tarde, não lhes exigisse o pagamento", conta o MP.

Contudo, como o homem foi com um amigo, os arguidos recusaram negociar e pediram que voltasse no dia seguinte, mas sozinho.

O ofendido deslocou-se no dia seguinte na companhia do mesmo amigo, que ficou à sua espera na zona da Quinta da Fonte Santa, enquanto o homem conduziu em direção à casa dos arguidos.

A acusação sustenta que os arguidos, além de exigirem à vítima que comparecesse só, "já tinham decidido" que iriam manietá-la, retirar-lhe o estupefaciente e, de seguida, levá-la para um local ermo no seu próprio veículo e aí matá-la com uma arma de fogo.

O plano passava, depois, por destruir o veículo onde seguia a vítima, razão pela qual os arguidos adquiriram gasolina.

"Os arguidos (dois irmãos) acordaram ainda em pedir a colaboração do arguido [...], a quem deram conhecimento do seu plano de intenções e ao qual este aderiu", frisa o MP.

De acordo com a acusação, a necessidade de um terceiro arguido prendia-se com o facto de um deles ter de ficar encarregue da segurança do estupefaciente, enquanto os outros dois "procedessem aos atos necessários a causar a morte" de Alexandre Sousa e a "destruir" todos os vestígios que os pudessem ligar ao homicídio.

Assim, na noite de 16 de janeiro, enquanto um dos irmãos ficou em casa a guardar a droga, os dois outros elementos, após atarem as mãos e os pulsos da vítima, obrigando-a a entrar na sua própria viatura, conduziram por um caminho de terra batida. Um dos arguidos levou o automóvel da vítima e outro seguiu na sua viatura.

Chegados a um local de difícil acesso, retiraram Alexandre Sousa do carro e mantiveram-no manietado, tendo um deles efetuado dois disparos na direção da cabeça da vítima, que viria a falecer no dia seguinte, relata o MP.

De seguida, os dois homens conduziram cerca de cinco quilómetros, até Almargem do Bispo (Sintra), onde regaram a viatura da vítima com gasolina e lhe atearam fogo.

Os três arguidos respondem em coautoria por homicídio e roubo qualificados, sequestro e tráfico de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC