sicnot

Perfil

País

Cavaco deseja "os maiores sucessos" ao novo PR

O Presidente da República desejou hoje ao seu sucessor "os maiores sucessos" no exercício do seu mandato, reiterando que tem uma "profunda gratidão" para com todos os portugueses "sem exceção", mesmo os que não o apoiaram.

Lu\303\255s Filipe Catarino/Presid\303\252ncia da Rep\303\272blica

"Sinto (...) o dever de transmitir um agradecimento muito especial a todos os Portugueses. Aos que em mim votaram e aos que não me apoiaram. A todos, sem exceção, estou profundamente grato. De todos guardo boas recordações, por todos tenho um sentimento de profunda gratidão", afirma o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, que cessa na quarta-feira funções como Presidente da República, depois de dez anos em Belém.

Numa mensagem que foi esta manhã divulgada no 'site' da Presidência da República, Cavaco Silva deseja ainda ao seu sucessor no cargo, Marcelo Rebelo de Sousa, "os maiores sucessos".

Sublinhando que a mensagem que dirige aos portugueses um dia antes de deixar a Presidência da República é, sobretudo, "uma mensagem pessoal", Cavaco Silva reitera que "foi um privilégio" poder servi-los na chefia do Estado, tal como já antes tinha acontecido quando foi primeiro-ministro, entre 1985 e 1995.

"Procurei retribuir a Portugal o muito que o meu país me deu ao longo de uma vida", refere.

Na mensagem, o chefe de Estado volta ainda a considerar que servir o país na Presidência da República foi uma honra, concedida duas vezes, primeiro em 2006 e depois em 2011.

"Durante dez anos, procurei corresponder à confiança que em mim depositaram, agindo com sentido de responsabilidade e independência, trabalhando com rigor, seriedade e determinação na defesa do superior interesse nacional", frisa Cavaco Silva.

Lembrando os sete "roteiros" que realizou ao longo dos seus dois mandatos, o Presidente da República diz ter sido "um privilégio" contactar diretamente com milhares de portugueses e percorrer o país nas jornadas que levou a cabo para a inclusão social, a ciência, o património histórico-cultural, a juventude, as comunidades locais inovadoras, a floresta, as pescas e a economia dinâmica.

Marcelo Rebelo de Sousa toma posse como Presidente da República na quarta-feira de manhã, na Assembleia da República.

Lusa

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que o blogue de Hugo Gil, associado ao Benfica, partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • Fredy Montero é reforço do Sporting

    Desporto

    O colombiano Fredy Montero está de regresso ao Sporting, anunciou o clube. O avançado de 30 anos já tinha vestido a camisola dos leões entre 2013 e 2015, antes de passar pelos chineses do Tianjin Teda e nos canadianos dos Vancouver Whitecaps.

  • Trump mentalmente apto para ser Presidente dos EUA

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos foi na semana passada sujeito aos exames médicos anuais obrigatórios. O médico oficial da Casa Branca informou esta terça-feira que Donald Trump está de "excelente" saúde, não apenas física, como já tinha sido divulgado, mas também mental. As dúvidas sobre as capacidades cognitivas de Trump ganharam força após as revelações feitas no livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House".

    SIC

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31
  • Governo vai proibir refeições nos monumentos com estatuto de panteão
    0:53

    País

    O Governo vai acabar com as refeições no Panteão Nacional e em edifícios com estatuto semelhante, como os mosteiros dos Jerónimos e da Batalha. A decisão foi anunciada esta terça-feira pelo ministro da Cultura, no Parlamento. Luís Filipe Castro Mendes esclareceu que a decisão surge no âmbito da revisão do regulamento sobre os monumentos.