sicnot

Perfil

País

Menopausa exige melhor preparação científica dos médicos

As mulheres portuguesas já passam em média um terço da vida na situação de menopausa, exigindo dos médicos uma redobrada atualização científica para poderem tratar melhor os problemas associados ao novo ciclo, disse hoje uma especialista de Coimbra.

A incidência de carcinoma da cabeça e pescoço foi de 50 novos casos por ano na população masculina, por 100 mil habitantes, e de 16 novos casos por ano na população feminina, com taxas de mortalidade de 19 e 3, respetivamente.(Arquivo)

A incidência de carcinoma da cabeça e pescoço foi de 50 novos casos por ano na população masculina, por 100 mil habitantes, e de 16 novos casos por ano na população feminina, com taxas de mortalidade de 19 e 3, respetivamente.(Arquivo)

© Regis Duvignau / Reuters

"Temos de fazer escola no sentido de os médicos saberem tratar melhor as mulheres na menopausa" já que "um terço da vida da mulher é passado em menopausa e em média 17 anos ativa no trabalho e na família", defendeu hoje a presidente da Secção de Menopausa da Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG), Fernanda Geraldes.

A ginecologista falava à agência Lusa a propósito do encontro "Menopausa -- Um novo ciclo", que vai decorrer em Évora, de sexta-feira a sábado, no âmbito da 184ª reunião da SPG, em que participam especialistas nacionais e de outros países.

Mais de dois milhões de portuguesas "em idade de pós-menopausa têm de trabalhar até aos 67 anos pelo menos", numa época em que a esperança de vida tem vindo a aumentar.

"Temos hoje mais mulheres em Portugal, sobretudo na faixa etária a partir dos 50 anos", disse, citando dados do censo de 2011, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Uma melhor preparação dos médicos, designadamente através da sua participação em encontros científicos, dará "um contributo importante para a qualidade de vida destas mulheres".

Em 2011, segundo o INE, 40,5% das mulheres em Portugal tinham mais de 50 anos, percentagem que poderá ter aumentado nos últimos cinco anos, admitiu a médica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

O encontro médico "Menopausa -- Um novo ciclo" é a primeira atividade pública promovida pela Secção de Menopausa da Sociedade Portuguesa de Ginecologia.

"Mais de um milhão de portuguesas estão em idade de menopausa (1.130.973, só entre os 45 e os 59 anos), número com tendência para subir", segundo uma nota da organização do encontro, no qual estão inscritos cerca de 240 médicos, sobretudo ginecologistas e alguns especialistas de medicina geral e familiar.

Uma mulher está menopáusica "quando na idade prevista apresenta uma ausência de ciclos menstruais de há mais de um ano", refere. No Ocidente, a idade média é de 51,4 anos.

"Na população portuguesa, (...) a menopausa espontânea ronda os 48 anos. O fenómeno surge tipicamente entre os 45 e os 55 anos", ainda de acordo com a organização.

O programa científico do encontro inclui intervenções sobre terapêutica hormonal e suplementação na menopausa (soja, cálcio, vitamina D e colagénio, entre outras), estando ainda em discussão temas como "As estratégias não hormonais no tratamento dos sintomas vasomotores".

Serão abordados também temas como "A partir dois 60 anos -- que alternativas", por Isabel Matos, e "Menopausa e líbido -- o 'viagra' feminino existe?", pelo psiquiatra Júlio Machado Vaz.

Lusa

  • Obama acredita que Guterres será um bom líder da ONU
    0:53

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar de perto com os Estados Unidos na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido esta sexta-feira por Barack Obama, na Casa Branca, onde foi elogiado pelo ainda Presidente.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.