sicnot

Perfil

País

Fenprof quer que Governo explique como vai cortar 300 ME em pessoal

A Fenprof quer que o Governo explique como vai cortar 300 milhões de euros em despesa com pessoal na Educação, como previsto no Orçamento do Estado, sem despedir professores nem transferir o pagamento de salários para fundos comunitários.

Lusa

"Como é que o Estado poupa 300 milhões de euros em recursos humanos na Educação, se este é um ano, não apenas de manutenção da verba, mas em que terá de haver reforço da verba, uma vez que se vão repor os salários na íntegra", questionou o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, em conferência de imprensa, hoje, em Lisboa, convocada para fazer um balanço dos primeiros cem dias do Governo.

Para a federação sindical, este corte com pessoal na Educação, que consta da rubrica referente à administração pública, no Orçamento do Estado (OE) para 2016, só pode ter duas explicações: ou o Ministério da Educação (ME) pretende despedir professores e "reduzir ainda mais o número de docentes, o que é uma coisa absolutamente impensável", ou pretende transferir o pagamento de salários dos docentes para fundos comunitários, retirando essa despesa do OE, o que "é inaceitável", porque estes pagamentos dizem respeito a vencimentos de pessoas que fazem parte dos quadros das escolas.

"Seja como for, estamos em desacordo e queremos perceber isso. Queremos ser esclarecidos pelo senhor ministro da Educação, porque podemos estar aqui perante uma situação que é complicada e que pode ainda provocar mais desemprego, mais instabilidade e maior precariedade, com mais dificuldades às escolas no seu funcionamento", disse Mário Nogueira.

O líder sindical adiantou que a Fenprof vai pedir uma reunião ao ministro da tutela, para esclarecer estas questões e para propor o agendamento de quatro processos negociais.

A federação sindical pretende que o ME esclareça que funções dos professores devem ser classificadas dentro da componente letiva do horário; quer discutir as condições em que os professores podem pedir a aposentação, defendendo que, com 40 anos de serviço, independentemente da idade, os docentes devem poder este ano pedir a reforma; quer uma revisão "mais global" do regime de concursos de professores; e quer discutir o combate à precariedade entre os docentes.

Segundo contas da Fenprof, existem mais de 50 mil professores em situação de precariedade, "uma boa parte" dos quais são, afirma a federação, falsos recibos verdes.

A Fenprof pretende brevemente apresentar um levantamento nacional relativo a esta situação, mas referiu já, a título de exemplo, o caso dos mais de 800 professores contratados pelo IEFP, que deverão ficar a trabalhar a recibos verdes, ainda que os contratos sejam para três anos, e com um horário de trabalho definido.

Ainda sobre outro levantamento que a Fenprof está a promover, relativo à duplicação de oferta escolar entre escolas públicas e privadas, Mário Nogueira referiu que a organização estima que 80% dos contratos de associação vigentes representem uma duplicação de oferta.

Os contratos de associação são assinados entre o Estado e as escolas privadas, criados para garantir financiamento público aos colégios sempre que estes assegurem a abertura de turmas onde há escassez de oferta pública.

No entanto, frisou Mário Nogueira, "a questão de fundo" é a necessidade de alterar a norma no Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo, que desde 2013 já não obriga a que estes contratos existam apenas em zonas carenciadas de escolas públicas.

Sobre o balanço dos primeiros cem dias do Governo, a Fenprof considerou-os positivos, em que foram dados "sinais que constituem indícios de mudança", - como o fim da Bolsa de Contratação de Escola ou da prova de avaliação dos professores - mas "não mais do que isso".

Mário Nogueira declarou-se, no entanto, "preocupado com os próximos 296 dias", frisando que independentemente dos "exercícios estatísticos" e contas que o ministro faça, há um corte de 82 milhões de euros no orçamento da Educação.

Lusa

  • OE2016 "é um amargo de boca" para a Fenprof
    2:04

    Orçamento do Estado 2016

    A Fenprof comentou hoje em conferência de imprensa o Orçamento de Estado relativamente à Educação. O secretário-geral, Mário Nogueira, diz que ainda não é um corte com o passado nem sequer o que esperavam que fosse. Apesar disso os professores vão dar tempo à tutela para que os sinais dados acabem por se impor revertendo os cortes dos últimos anos no sector.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21