sicnot

Perfil

País

Joana Marques Vidal considera fundamental reinserção dos reclusos na sociedade

A procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, considerou esta quinta-feira que a reinserção dos reclusos na sociedade, após o cumprimento de penas, é "muito importante", porque é uma oportunidade que a comunidade lhes dá para deixar de cometer crimes.

Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República.

Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República.

LUSA

"Qualquer reinserção social de um delinquente é uma oportunidade que a comunidade dá a si mesma, porque é também a certeza de que aquela pessoa, ao se inserir naquela comunidade, deixará de cometer crimes e adotar procedimentos que põem em causa valores fundamentais", disse Joana Marques Vidal, durante a conferência "Arte e Cidadania - Diálogos em Contexto Prisional", no Porto.

A procuradora-geral da República lembrou que a finalidade da aplicação de penas é a defesa de bens e valores essenciais para a sociedade e a reintegração dos delinquentes.

Joana Marques Vidal referiu que, contudo, "ainda há alguma referência" na sociedade de que punir as pessoas é unicamente para as castigar, não importando o passo seguinte.

"O fundamental não é castigar, o fundamental é proteger determinados bens e procurar a reinserção social de quem os violou, proporcionando-lhes (delinquentes) as condições para que, voluntariamente, abandonem o crime", sustentou.

"É importante que os reclusos saiam das cadeias e saibam viver em sociedade", afirmou.

Além disso, Joana Marques Vidal realçou que as leis, sobretudo as que regem o dia-a-dia, deviam ser conhecidas por todos.

"Os instrumentos legais devem ser olhados como qualquer instrumento útil para a nossa vida", entendeu.

Quanto aos projetos direcionados aos reclusos, a procuradora-geral da República salientou serem "extremamente válidos", porque desenvolvem a inclusão, educação, autoestima e aptidões artísticas e culturais.

"Este tipo de projetos são muito importantes e têm tido resultados muito positivos", avançou.

O projeto ECOAR - Empregabilidade, Competências e Arte, cuja conferência final se realizou hoje, iniciou-se em novembro de 2014 e permitiu aos reclusos de quatro prisões do norte de desenvolverem processos de criação artística como a música, as artes circenses, a dança ou o teatro.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.