sicnot

Perfil

País

MP pede medidas de coação mais duras para Manuel Godinho

O Ministério Público (MP) pediu hoje, no Tribunal de Aveiro, a agravação das medidas de coação de Manuel Godinho, principal arguido do caso "Face Oculta", considerando que existe o risco de o sucateiro se ausentar em definitivo para o Brasil.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

O pedido do procurador da República, Carlos Filipe, foi feito após a condenação de Manuel Godinho a mais dois anos de prisão, num processo em que estava acusado de subornar um vigilante da natureza.

No final da sessão, o magistrado fez um requerimento a pedir que o arguido seja sujeito à medida de coação de apresentações diárias no posto policial da sua área de residência, e à proibição da deslocação para o estrangeiro, com a entrega imediata do passaporte ao tribunal.

"Existe o seríssimo perigo de o arguido se radicar no Brasil e ali permanecer o tempo necessário à aquisição da nacionalidade brasileira, de modo a obstar à sua extradição", afirmou o procurador, adiantando que o sucateiro pretenderá, assim, eximir-se ao cumprimento das penas a que foi condenado.

Apesar da declaração de insolvência pessoal do sucateiro, o procurador disse ainda não ter dúvidas de que Manuel Godinho "possui poder económico bastante para com extrema facilidade se ausentar em definitivo do país".

Carlos Filipe juntou fotos das residências de Manuel Godinho em Ovar, que, segundo o mesmo, "atestam a ausência de sinais de que estão a ser habitadas", adiantando ainda que a atividade empresarial do arguido em Portugal "se mostra praticamente inexistente".

"O arguido reúne os meios, as condições e os contactos necessário para concretizar com sucesso a sua fuga", concluiu, adiantando que Manuel Godinho "padece de receio da reclusão".

O tribunal fez um intervalo, após o que irá sujeitar o arguido a interrogatório para alteração das medidas de coação.

Manuel Godinho, que se encontra atualmente sujeito apenas ao Termo de Identidade e Residência, chegou a estar detido preventivamente, tendo sido libertado em 28 de fevereiro de 2011, por ter expirado o prazo de 16 meses de prisão preventiva, sem estar concluída a instrução do processo.

Em setembro de 2014, Manuel Godinho foi condenado no âmbito do processo "Face Oculta" a uma pena única de 17 anos e meio de prisão, em cúmulo jurídico, por 49 crimes de associação criminosa, corrupção, tráfico de influência, furto qualificado, burla, falsificação e perturbação de arrematação pública.

Além da pena de prisão, o sucateiro foi condenado a pagar solidariamente, com outros arguidos, 1,2 milhões de euros à antiga Rede Ferroviária Nacional (Refer), à Redes Energéticas Nacionais (REN) e à Petrogal.

Mais recentemente, no passado mês de novembro, foi condenado a mais dois anos e meio de prisão efetiva, por subornar um ex-funcionário da antiga Refer, também condenado no mesmo processo.

O empresário de Ovar, que aguarda em liberdade o desfecho dos recursos dos dois acórdãos interpostos pela sua defesa, foi entretanto declarado insolvente no início deste ano.

O processo "Face Oculta" está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho, nos negócios com empresas do setor empresarial do Estado e empresas privadas.

O MP acusou 36 arguidos, incluindo duas empresas, de centenas de crimes de burla, branqueamento de capitais, corrupção e tráfico de influências.

Entre os arguidos estão personalidades como o antigo ministro Armando Vara, o ex-presidente da REN José Penedos e o seu filho Paulo Penedos.

Todos os arguidos foram condenados a penas de prisão, mas a grande maioria beneficiou de penas suspensas, condicionadas ao pagamento de quantias entre os três e os 25 mil euros, a instituições de solidariedade social.

Lusa

  • Manuel Godinho soma mais uma condenação por corrupção

    País

    O Tribunal de Aveiro condenou hoje Manuel Godinho a mais dois anos de pena de prisão efetiva. O Ministério Público pediu a agravação das medidas de coação, por existir o risco do sucateiro fugir para o Brasil e adquirir lá nacionalidade. O magistrado do Ministério Público fez um requerimento a pedir que o arguido se apresente diáriamente às autoridades e proibia deslocação ao estrangeiro.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.