sicnot

Perfil

País

Passageiros já "acham normal" constantes avarias no Metro de Lisboa

Escadas rolantes com avarias crónicas, passadeiras sempre paradas e elevadores avariados são o dia-a-dia dos utilizadores do Metropolitano de Lisboa, que já se habituaram e deixaram de reclamar, segundo um representante dos utentes.

reuters

O coordenador do Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos (MUSP), Rui Monteiro, resumiu a situação, afirmando: "chegámos a um ponto em que o normal é não funcionar".

Os casos mais recorrentes verificam-se nas estações da Baixa-Chiado, do Rato, Alameda, Olivais e Areeiro.

"Nos Olivais, há um conjunto de problemas desde o início: as escadas rolantes estão sistematicamente avariadas e, no sentido São Sebastião - Aeroporto, há quatro acessos, mas só dois é que estão abertos", disse Rui Monteiro.

Alguns lanços de escadas rolantes "sempre encerrados" na Baixa-Chiado e no Rato, "duas das estações mais profundas da rede", foram também apontados pelo coordenador do MUSP, bem como as obras "paradas há mais de dois anos" no Areeiro.

Para Rui Monteiro, a manutenção no Metro "é feita de forma muito deficiente", pelo que "há sempre avarias e qualquer reparação leva muito tempo".

O MUSP recebe "algumas reclamações esporádicas", porque "as pessoas já nem se dão ao trabalho de reclamar".

"Há alguma resignação. Já acham normal", lamentou.

Também o porta-voz do Movimento dos Utentes do Metropolitano de Lisboa considerou que os "passageiros se acomodaram à situação", mas defendeu que "têm de lutar pelos seus direitos", porque "pagam um serviço que é prestado com uma grande degradação crescente".

"O preço do bilhete aumentou, não me parece que seja justo pagar e ter sempre algum acesso avariado", disse Aristides Teixeira, para quem "a manutenção pressupõe uma atitude de prevenção. No metro isso não existe. Só intervêm após as avarias", acrescentou.

Afirmando que grávidas, idosos e pessoas com mobilidade reduzida encontram estas dificuldades, o porta-voz daquele movimento afirmou que "não há confiança no sistema de acesso ao metro".

Segundo Aristides Teixeira, uma das passadeiras rolantes da Alameda está parada há muito tempo, assim como o tapete rolante do Areeiro.

Em declarações à Lusa, a presidente da Associação Portuguesa de Deficientes (APD) disse que um "problema é que até as poucas [estações] que têm elevador, têm os elevadores constantemente avariados".

"A solução é os funcionários do Metro transportarem as pessoas pela escada, o que é arriscadíssimo", afirmou.

No caso das pessoas com deficiência, que têm de utilizar regularmente transportes públicos, Ana Luísa Sesudo defendeu que a "melhor opção é comprarem viatura própria".

Na página de facebook do Metropolitano são frequentes as queixas dos passageiros pelas constantes avarias, perturbações, limpeza e tempo de espera.

A Lusa tentou, sem sucesso, ter reações do Metropolitano de Lisboa e do Provedor do Cliente da empresa a estas queixas.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.