sicnot

Perfil

País

BE quer reduzir o número de alunos por turma e espera acolhimento do PS

O BE apresentou hoje no parlamento um projeto de resolução para reduzir o número máximo de alunos por turma no ensino público, pelo menos ao nível de 2011, entre 24 e 28 estudantes, esperando acolhimento da proposta pelo PS.

No pré-escolar, as turmas serão constituídas por um número mínimo de 20 e um máximo de 25 crianças. Mas, caso integrem crianças com necessidades educativas especiais de caráter permanente, o limite máximo da turma será de 20 crianças. (Arquivo)

No pré-escolar, as turmas serão constituídas por um número mínimo de 20 e um máximo de 25 crianças. Mas, caso integrem crianças com necessidades educativas especiais de caráter permanente, o limite máximo da turma será de 20 crianças. (Arquivo)

© Jorge Silva / Reuters

"O BE entregou hoje um projeto de resolução para a redução do número de alunos por turma legalmente permitido. A escola pública tem dois objetivos principais: promover o sucesso escolar e diminuir a desigualdades sociais. Nos últimos três, quatro anos, mais ou menos entre 2012 e 2014, houve um corte arbitrário de 1.300 milhões de euros na educação", justificou a deputada Joana Mortágua, no parlamento.

A medida, em caso de aprovação, recomenda ao executivo socialista que se volte aos limites máximos de 2011: 24 alunos por turma, no primeiro ciclo, e 28 no segundo e terceiro ciclos e no secundário, a partir do próximo ano letivo (setembro).

"A nossa expectativa (de aprovação) é baseada no programa de Governo do PS, que contemplava a promoção do sucesso e aproveitamento escolar", referiu a parlamentar bloquista.

Joana Mortágua alertou para as "crianças com necessidades especiais em turmas com número de alunos muito acima do previsto" e admitiu outras iniciativas complementares como a recuperação de pares pedagógicos, por exemplo em Educação Visual e Tecnológica, a coadjuvação entre professores, o desdobramento de turmas, além da reorganização curricular e o aproveitamento de professores com "horário-zero", entre outras.

"Uma das medidas mais emblemáticas deste corte arbitrário [desde 2012] foi o aumento do número de alunos por turma, que permitiu uma poupança grande aos cofres do Estado, mas foi muito prejudicial para alunos que hoje se veem em turmas de dimensão demasiado grandes para o suportável - turmas de 30 alunos, professores que têm tantos alunos que não têm sequer capacidade para saber os seus nomes", lamentou.

Segundo a deputada do BE, "os alunos com maiores dificuldades, ficam para trás, são abandonados, para que os outros consigam atingir as metas que é necessário atingir" e, para mais, a maioria dos estudos e informações indicam que "os que chumbam mais, que têm piores resultados, proveem de famílias mais carenciadas", acentuando-se assim a injustiça social.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.