sicnot

Perfil

País

Federação de Tauromaquia contra alterações à garraiada da academia de Coimbra

A Federação Portuguesa de Tauromaquia (Protoiro) rejeitou hoje eventuais alterações à garraiada da Queima das Fitas de Coimbra, proposta pelo PAN, defendendo o que considerou "uma tradição viva" enraizada na academia e na sociedade.

(Arquivo)

(Arquivo)

REUTERS

"A garraiada é uma tradição viva e plenamente aceite pelos cidadãos em geral e pelos estudantes de Coimbra em particular", disse hoje à agência Lusa Helder Milheiro, ativista das atividades taurinas e membro da comissão executiva da Protoiro.

Na segunda-feira, o partido Pessoas Animais Natureza (PAN) criticou a lide de animais jovens na praça de toiros da Figueira da Foz, integrada ano após ano no cartaz da Queima das Fitas dos estudantes da Universidade de Coimbra UC), a que se juntam os colegas das demais escolas superiores da cidade.

Em comunicado, o PAN saudou o "diálogo positivo e construtivo" encetado com o Conselho de Veteranos (CV) da academia de Coimbra, o qual admitiu que o programa da garraiada possa no futuro ser alterado para salvaguardar os direitos dos animais.

Não foram ainda tomadas decisões, mas o 'dux veteranorum' João Luís de Jesus, que preside aos trabalhos do CV, disse na ocasião à Lusa que estão a ser ponderadas alterações ao programa a fim de responder "ao que a sociedade está a questionar" nas atividades tauromáquicas.

"A praça da Figueira tem sempre uma grande moldura humana" no dia do espetáculo taurino dos estudantes de Coimbra, adiantou Hélder Milheiro, realçando que importa ter em conta as opções de "muitos milhares" de pessoas que assistem à garraiada.

Na sua opinião, a iniciativa tem sido contestada "por um pequeno grupo da região que não representa a realidade" do país, já que os portugueses "estão bastante ligados ao espetáculo" com gado bovino bravo.

Em abono da sua posição sobre as atividades tauromáquicas integradas nas festas académicas, a Protoiro cita dados de um estudo de opinião realizado pela empresa Eurosondagem, em 2011.

"Um terço dos portugueses (32,7%) afirma-se aficionados, o que corresponde a mais de três milhões de pessoas", disse Hélder Milheiro.

Para o dirigente da Federação Portuguesa de Tauromaquia, importa ainda ter em conta que 86,1% dos portugueses "não defende qualquer proibição das corridas de toiros".

Segundo a mesma sondagem, 32,8% dos cidadãos em Portugal não são aficionados "mas não aceitam que se retire a liberdade de escolha", enquanto 20,6% "são indiferentes às touradas".

"Apenas 11% são contra as touradas e defendem a sua proibição", acentuou Hélder Milheiro.

Lusa

  • Ministra tem condições para ficar?
    1:57
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • Os testemunhos emocionados de quem perdeu quase tudo nos fogos
    2:10
  • A primeira moção de censura ao fim de quase dois anos
    1:42

    País

    O CDS-PP avançou com uma moção de censura ao Governo, perante o que chama de falha do Governo na proteção das pessoas. O PSD apoia a iniciativa. António Costa fala num ato natural da democracia. Esta é a primeira moção de censura que o Governo socialista enfrenta ao fim de quase dois anos de mandato.

  • "Agora é tempo de decidir e executar"
    1:27

    País

    O primeiro-ministro reuniu-se esta terça-feira com os autarcas das zonas mais afetadas pelos incêndios e visitou os feridos, que continuam internados no Hospital de Coimbra. António Costa diz que o tempo das respostas começa agora.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.