sicnot

Perfil

País

Marcelo afirma-se "quase feminista" e diz que igualdade de género é uma forma de estar

Marcelo Rebelo de Sousa considerou hoje que a igualdade de género "é uma forma de estar" e disse que a questão está no topo das suas preocupações, definindo-se como um "Presidente quase feminista".

FERNANDO VELUDO

"A igualdade de género é uma forma de estar. Não basta apregoar, não basta construir um quadro legislativo. É preciso concretizar a igualdade de género no nosso dia-a-dia, é preciso sentir que é importante", afirmou o Presidente da República, perante um grupo de embaixadoras acreditadas em Lisboa, que recebeu hoje no Palácio de Belém.

O Presidente da República disse ter "total paridade de género" na sua equipa de assessoria diplomática e adiantou que a nova secretária do Conselho de Estado é uma mulher [Rita Magalhães Colaço], tal como a nova responsável em matéria de Segurança Nacional [Mafalda Gama Lopes].

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou-se sensível à causa da igualdade de género, afirmando que está no topo das suas preocupações já que, sublinhou, jurou "sobre uma Constituição que tem no princípio da igualdade um dos seus pilares fundamentais".

"Sou, por dever moral e por sentimento, quase um presidente feminista, o meu primeiro encontro com embaixadores é com um grupo de embaixadoras e não podia ser de outra maneira", disse.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou acreditar que não é preciso ser "um Presidente mulher para se preocupar com os direitos das mulheres", afirmando que estes direitos devem ser uma preocupação de todos.

Dirigindo-se ao grupo de embaixadoras, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "as mulheres na diplomacia são sinónimo de igualdade de circunstâncias", o que significa que tiveram uma "formação em igualdade de circunstâncias", escolheram a diplomacia em igualdade de circunstâncias e passaram por processos de seleção em igualdade de circunstâncias.

Citando a jovem ativista Malala Yousafzai, prémio Nobel da Paz em 2014, Marcelo Rebelo de Sousa enfatizou a importância da Educação na promoção do desenvolvimento das sociedades, no reforço do poder das mulheres e na igualdade.

Pelas 19 embaixadoras presentes no encontro, a embaixadora da Suécia em Lisboa, Caroline Fleetwood, sublinhou que a as questões dos direitos das mulheres são questões de direitos humanos e manifestou expetativa em que Marcelo Rebelo de Sousa possa apoiar a causa dos direitos das mulheres.

Para além das embaixadoras, estiveram no encontro a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, e as deputadas do PSD Paula Teixeira da Cruz, Maria Germana Rocha e Ângela Guerra, e do CDS-PP Teresa Caeiro.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.