sicnot

Perfil

País

Ministério abre 100 vagas, metade para educadores de infância e ensino especial

O Ministério da Educação vai abrir 100 vagas no próximo ano letivo principalmente para escolas da zona de Lisboa e do norte do país, muitas das quais para educadores de infância e professores de ensino especial.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

reuters

A informação consta da portaria publicada em Diário da República que entra hoje em vigor e estabelece as vagas do concurso externo para o ano letivo de 2016/2017.

Mais de metade das vagas (63) é para o Quadro de Zona Pedagógica 7 (QZP), que corresponde às escolas situadas na zona de Lisboa e da Península de Setúbal, segundo o anexo da portaria nº 43-A/2016.

Geograficamente situado a norte, o QZP 6 -- que abrange a Lezíria, o Oeste e o Médio Tejo - é o segundo com mais vagas (13), seguindo-se o QZP 1 -- Braga, Viana do Castelo, Porto e Tâmega -- com nove vagas.

As escolas da zona do Baixo Alentejo (QZP9) serão as únicas sem vagas, seguindo-se os casos do QZP2 (Douro Sul, Vila Real e Bragança) e do QZP8 (Alto Alentejo e Alentejo Central) que vão abrir apenas uma vaga para um professor do grupo de recrutamento de Espanhol.

O Espanhol é precisamente a única língua que vai abrir vagas (5).

Educação Especial 1 será o grupo de recrutamento com mais vagas abertas (30), seguindo-se Educação Pré-Escolar (15), Educação Moral e Religiosa Católica (nove), Educação Física (sete vagas) e 1.º Ciclo do Ensino Básico (cinco vagas).

Existem 16 grupos de recrutamento que não irão quaisquer vagas, entre as quais se encontram o Inglês do 1.º ciclo; Filosofia; Geografia; Economia e Contabilidade; Física e Química; Biologia e Geologia; Educação Tecnológica e Educação Especial 2 e 3.

Os professores dos grupos de recrutamento das quatro línguas - Latim e Grego; Francês Inglês e Alemão -- assim como os das disciplinas artísticas - Educação Visual e Tecnológica; Educação Musical e Música -- também não irão ter vagas para concorrer aos quadros no próximo ano letivo, segundo o diploma publicado na segunda-feira.

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43