sicnot

Perfil

País

Portugal teve a mais baixa taxa de fertilidade da UE em 2014

Portugal foi o país da União Europeia (UE) com a taxa de fertilidade mais baixa em 2014, de 1,23 bebés por mulher, e foi também o Estado-membro que registou a maior queda de nascimentos entre 2001 e 2014, revela o Eurostat.

© Michaela Rehle / Reuters

Os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE revelam que em 2014 nasceram 5,1 milhões de bebés no conjunto dos 28 Estados-membros -- contra 5,0 milhões em 2001 -, tendo em média a taxa de fertilidade aumentado de 1,46 em 2001 para 1,58 em 2014, ano em que variou entre 1,23 em Portugal e 2,01 em França, os países na cauda e no topo da lista, respetivamente.

Uma taxa de fertilidade de cerca de 2,1 nados vivos por mulher é considerada como aquela que corresponde ao nível de renovação da população nos países desenvolvidos, ou seja, o número médio de nascimentos por mulher necessário para manter constante o tamanho da população, sem ter em conta movimentos migratórios.

Todavia, só a França registou uma taxa de fertilidade superior a 2,0, sendo seguida da Irlanda (1,94), Suécia, (1,88) e Reino Unido (1,81).

No extremo oposto da lista, aponta o Eurostat, as taxas de fertilidade mais fracas foram registadas em Portugal (1,23), Grécia (1,30), Chipre (1,31), Espanha e Polónia (ambos com 1,32).

Portugal registou ainda a segunda descida mais acentuada da taxa de fertilidade entre 2001 (1,45) e 2014 (1,23), de -0,22, apenas superada por Chipre (-0,26), e em termos de nascimentos lidera mesmo as quedas, e de forma destacada, ao registar uma diminuição de 27% (de 112.774 nascimentos em 2001 para 82.367 em 2014), muito acima do segundo país com um maior recuo, a Holanda, com -13,5%.

Relativamente à idade média das mulheres aquando do nascimento do seu primeiro filho, o Eurostat aponta que a média europeia é de 28,8 anos, variando entre os 25,8 anos de idade na Bulgária e os 30,7 anos em Itália, surgindo Portugal com uma média de 29,2 anos.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.