sicnot

Perfil

País

Quase 30% dos portugueses nunca usaram Internet

A percentagem de portugueses (dos 16 aos 74 anos) que nunca utilizou Internet diminuiu de 32% em 2014 para 28% no ano passado, anunciou a Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), reconhecendo "a distância" da média europeia de 16%.

Os dados foram divulgados por ocasião do Dia Europeu da Internet Segura, que se comemora todos os anos em fevereiro. (Arquivo)

Os dados foram divulgados por ocasião do Dia Europeu da Internet Segura, que se comemora todos os anos em fevereiro. (Arquivo)

Damian Dovarganes / AP

Os dados do regulador das comunicações, que se referem a portugueses entre os 16 e os 74 anos e constam do relatório 'O consumidor de comunicações eletrónicas 2015' , indicam ainda que a distância face à média da União Europeia é ainda mais evidente entre as pesoas de idades mais avançadas: 27% utilizam a Internet em Portugal, contra 45% na Europa dos 28 (UE28).

O nível de escolaridade também influencia o uso da Internet e em Portugal 49% dos que nunca usaram aquele meio têm um nível de escolaridade mais baixo, contra contra 59% na União Europeia.

"No caso de indivíduos com um nível de escolaridade mais alta (sobretudo com o ensino secundário) Portugal (95,6%) destaca-se por estar bastante acima da média da UE28 (83%) na utilização do serviço de acesso à Internet (mais 13 pontos percentuais)", lê-se na nota da ANACOM.

Nos que têm formação académica de nível superior, Portugal apresenta ainda um maior nível de utilização de internet, 98,4%, contra 96% na UE28.

Os dados do regulador revelam ainda o peso da situação de reforma no uso de internet: em Portugal, 32% das pessoas que nunca usaram internet são reformados, enquanto na União Europeia são 53%.

Sobre o uso de serviços de telecomunicações, a ANACOm diz que cada vez mais os portugueses (com 15 ou mais anos) consomem mais serviços, tendo subido a percentagem do que utilizavam três ou mais serviços de telecomunicações, de 59% em 2011, para 75% em 2015.

"Se considerarmos o consumo dos cinco serviços: telefone fixo, telemóvel, banda larga fixa e móvel e a televisão por subscrição, constata-se que em 2015 os mesmos eram utilizados por um terço dos indivíduos, percentagem que em 2011 era de apenas 13%", acrescenta.

De acordo com a caracterização feita no referido relatório, 73% dos lares têm serviços em pacotes, 40% dispõem de acesso a banda larga fixa por fibra ótica, 38% das pessoas têm banda larga no telemóvel e 67% dos utilizadores de telemóvel têm smartphones.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.