sicnot

Perfil

País

Paulo Portas é o novo vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria

O ex-vice-primeiro-ministro, que há dois dias deixou a lideranca do CDS, foi eleito, esta quarta feira, em assembleia geral vice-presidente da Câmara do Comércio e Indústria. Segundo o jornal Expresso, Paulo Portas, que vai ficar com o pelouro da internacionalização, não vai receber qualquer salário.

ESTELA SILVA

"Aceitei com gosto esta vice-presidência da Câmara de Comércio porque é uma forma muito útil de continuar a ajudar a internacionalização das empresas e o setor exportador, que são os pilares do nosso crescimento", refere Paulo Portas, citado na nota.

Segundo o ex-líder do CDS-PP, esta é "uma instituição muito respeitada e credível cujo trabalho prático, a favor das empresas portuguesas" é centrado "na diplomacia económica e na promoção externa de Portugal".

"Destaco em especial a qualidade do trabalho feito nesta casa junto das Câmaras de Comércio portuguesas em todo o mundo. Contam portanto com o meu empenhamento", refere ainda o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros.

Bruno Bobone, que foi reeleito presidente da Câmara de Comércio, considera que a eleição significa a intenção do antigo governante de "continuar a contribuir ativamente para o desenvolvimento económico de Portugal e, muito especialmente, para o crescimento da sua internacionalização".

O presidente da instituição refere ainda que a Câmara "terá que estar preparada para justificar a colaboração de uma das pessoas que mais fez nos últimos anos no que respeita ao apoio dado aos empresários portugueses, tanto em Portugal como a nível internacional".

No domingo, à entrada para o último dia do congresso do CDS-PP, no qual deixou de ser líder, Paulo Portas tinha dito que já sabia o que iria fazer no futuro relativamente à sua vida profissional, apesar de não o ter revelado.

"Estou a preparar uma vida profissional que não depende só de mim. Haverá um momento em que eu vos direi o que vou fazer. São várias coisas, saberão tudo no momento certo", disse na ocasião.

Com Lusa

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.