sicnot

Perfil

País

Menos 700 sinais de trânsito nos passeios de Lisboa

A Câmara de Lisboa realizou, desde o início do ano, cerca de 700 intervenções relacionadas com sinais de trânsito na cidade, entre substituição, recolocação ou retirada definitiva, com o objetivo de melhorar a mobilidade para peões e automobilistas.

https://www.facebook.com/carlosmanuel.castro

https://www.facebook.com/carlosmanuel.castro

https://www.facebook.com/carlosmanuel.castro

https://www.facebook.com/carlosmanuel.castro

"Já fizemos cerca de 700 intervenções e teremos, seguramente, muitas mais pela frente", afirmou hoje o vereador da Mobilidade de Proximidade e Segurança da Câmara de Lisboa.

Carlos Castro falava à Lusa durante uma visita de acompanhamento a uma intervenção em quatro postes de sinalética, que contou com a presença da secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes.

O propósito da intervenção que decorreu na praça do Rossio e na Rua dos Fanqueiros (na freguesia de Santa Maria Maior) seria a retirada de dois sinais, mas acabaram por ser quatro os alvo de remoção.

A sinalética foi retirada por funcionários municipais das "Brigadas Lx", através do arranque e do corte dos postes, procedendo ao arranjo da calçada do passeio logo de seguida.

"É preciso perceber que o que estamos aqui a fazer é, por um lado, melhorar a mobilidade dos peões, mas por outro também a melhorar a visibilidade e a leitura da sinalética por parte dos automobilistas", considerou o vereador.

As intervenções passam pela substituição de sinalética antiga por nova, a relocalização dos postes ou a sua retirada definitiva para evitar sinais redundantes, como foi o caso da sinalética retirada hoje.

Até agora, os trabalhos - que são feito sobretudo em horário noturno - já abrangeram as freguesias das Avenidas Novas, Santo António e Santa Maria Maior, sendo um trabalho que a Câmara pretende estender "a toda a cidade".

A secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, afirmou que "a Câmara de Lisboa tem sido pioneira" nesta matéria, considerando que este "é o tipo de intervenção exemplar".

"É um trabalho de ir de quarteirão em quarteirão, de rua em rua, ver o que está mal, ver o tipo de sinalização que já não é necessária, que já perdeu o sentido e pode ser retirada com uma pequena intervenção", vincou.

Ana Sofia Antunes considerou que "ao limpar este lixo" procura-se "facilitar a vida para todos".

"Muitas vezes andamos pelas ruas, deparamo-nos com obstáculos colocados mesmo no centro dos passeios, e eles são tão mais críticos quanto mais estreitos são os passeios, e esta constitui uma situação gravosa, de risco", acrescentou a secretária de Estado.

Ana Sofia Antunes alertou, ainda, que esta situação abrange "não apenas as pessoas que têm limitações na sua mobilidade em função da sua deficiência", mas também a população idosa, "e que se sente muitas vezes insegura ao caminhar".

A nível nacional, a secretária de Estado refere que "existem várias autarquias preocupadas com as questões das acessibilidades e a fazerem intervenções em espaço público".

O facto de a intervenção em Lisboa ser feita por funcionários municipais foi elogiada por Ana Sofia Antunes, que salientou que a formação de trabalhadores em matérias de mobilidade e acessibilidade deve ser adotada por outras autarquias.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.