sicnot

Perfil

País

Nasceram 3 linces ibéricos de mãe já nascida no centro de Silves

Nasceram 3 linces ibéricos de mãe já nascida no centro de Silves

O Centro Nacional de Recuperação do Lince Ibérico (CNRLI) manifestou o seu "orgulho" por a fêmea Juromenha ter parido pela primeira vez a 11 de março três crias fruto do acasalamento com o macho Fresco.

"Trata-se da primeira fêmea nascida em Silves a dar à luz no centro português, a que se junta o facto de esta fêmea ter sido criada artificialmente pela equipa do centro durante um mês e meio. Fresco conta já 18 crias nascidas no CNRLI e no Programa de Cria do Lince Ibérico", precisou num comunicado o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que tutela a unidade portuguesa de criação em cativeiro de lince ibérico.

O Centro sublinhou que já tinha tentado emparelhar Juromenha com outro macho na época de acasalamento do ano passado, sem sucesso, pelo que a opção de encontrar outro parceiro mostrou-se acertada.

"Após uma tentativa de emparelhamento, sem resultados, com Jabugo, no ano passado, Juromenha foi este ano emparelhada com Fresco, um macho mais experiente, e teve comportamento reprodutivo normal para a espécie, que resultou nestas três crias que cuida atualmente", destacou o ICNF.

A progenitora também "mostra um comportamento maternal exemplar e as crias seguem o seu desenvolvimento normal", acrescentou.

"Estas três crias juntam-se assim às sete crias nascidas já este ano no CNRLI, aguardando-se agora o parto de Era. Jabaluna, apesar de emparelhada este ano com Enebro, não ficou gestante", referiu ainda o ICNF.

Juromenha nasceu no Centro de Reprodução de Silves, em março de 2013, e foi uma das duas crias dessa ninhada de três exemplares que a mãe abandonou e que foram depois "alimentadas pela equipa do Centro, num procedimento que teve a preocupação de "evitar ou minimizar" os efeitos dos contactos com humanos, promovendo cada vez mais a "socialização" com os pais a partir do mês e meio de idade, explicou o ICNF.

"Historicamente, os linces-ibéricos criados de forma exclusivamente artificial apresentaram problemas graves de comportamento social e reprodutivo, tendo um relacionamento demasiado próximo com humanos -- o que impede a sua reintrodução -- e um relacionamento difícil com outros linces, o que dificulta muito a sua reprodução", justificou.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.