sicnot

Perfil

País

Câmara de Lisboa estima gastar meio milhão de euros na reparação de radares de velocidade

A Câmara Municipal de Lisboa vai discutir na quarta-feira a contratação, por ajuste direto, de serviços de "conservação, reparação e manutenção" dos radares de controlo de velocidade existentes na cidade, no valor de meio milhão de euros.

(SIC/ Arquivo)

A proposta visa a emissão de um "parecer prévio favorável à abertura de um procedimento e celebração do respetivo contrato, para a aquisição de serviços de assistência técnica para a conservação, reparação e manutenção" do sistema, com a empresa Micotec - Electrónica, Lda.

O documento, assinado pelo vereador da Mobilidade de Proximidade e Segurança da Câmara de Lisboa, Carlos Castro, e à qual a Lusa teve acesso, será discutida na próxima quarta-feira, em reunião privada do executivo.

O contrato "deverá ser executado no prazo de 13 meses e meio" e o encargo será de "483.900 euros, acrescido de IVA à taxa legal em vigor no valor de 111.297 euros, perfazendo o total global de 595.197 euros".

A proposta refere o sistema de controlo de tráfego é composto por "21 radares, câmaras de vídeo, detetores diversos e painéis de mensagem variável", mas "vários radares apresentam-se fora de serviço".

Em janeiro, o vereador das Obras Municipais, Manuel Salgado, afirmou que, dos 17 radares existentes na cidade, apenas cinco estavam "em funcionamento" e outros tantos estavam "em manutenção".

No documento, o vereador Carlos Castro informa que "estão em causa equipamentos de uso intensivo, permanente e tecnologicamente exigente, que pelo seu posicionamento se encontram expostos aos fenómenos atmosféricos, a atos de vandalismo, a acidentes - designadamente rodoviários -, a danos causados por eventos imponderáveis e que pela sua natureza técnica estão sujeitos a avarias várias".

Assim, a sua manutenção requer "frequentes reparações e substituição de peças e acessórios, realização de diagnósticos e introdução de correções para otimização do respetivo funcionamento".

Esta é a principal justificação apontada pelo município (de maioria PS) para "a necessidade de uma assistência técnica especializada", uma vez que a Câmara "não dispõe de meios próprios adequados ou possibilidade técnica de intervenção".

A autarquia refere ainda que a empresa Micotec - Electrónica, Lda. é a única que pode realizar para Portugal os serviços de reparação/substituição dos equipamentos que integram o sistema de controlo de vigilância de tráfico em Lisboa, pois "é o único agente autorizado para fornecer produtos e sobressalentes".

Numa informação escrita enviada à agência Lusa em janeiro de 2015, a autarquia indicou que a rede de radares na cidade, que impõem limites de 50 ou 80 quilómetros/hora, compreendia as avenidas da Índia, Brasília, Infante D. Henrique, Marechal António Spínola, da República (Entrecampos) e das Descobertas, a Radial de Benfica, o Campo Grande, a Segunda Circular e os túneis do Marquês de Pombal e João XXI e referiu que cada eixo tem "um ou mais radares instalados".

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.