sicnot

Perfil

País

Petição para criar "Dia dos Irmãos" entregue amanhã no parlamento

Uma petição com mais de quatro mil assinaturas para criar o "Dia dos Irmãos", a 31 de maio, é entregue na terça-feira no parlamento, porque aquilo que é vivido "entre irmãos é único, irrepetível", moldando a vida para sempre.

(Lusa/Arquivo)

Mais de quatro mil pessoas assinaram esta petição pública, que propõe a instituição de um dia comemorativo dedicado aos irmãos e à relação entre irmãos, que foi promovida pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas e secundada pela Confederação Europeia das Famílias Numerosas.

Segundo informação avançada à agência Lusa pelo ex-deputado do CDS-PP Ribeiro e Castro, um dos elementos que integra a comitiva, a mesma vai ser recebida pelo vice-presidente da Assembleia da República José Manuel Pureza.

"O calendário assinala datas, efemérides, memórias. Por isso se destacam dias especiais, para celebrar o que é mais importante. Os irmãos são os nossos mais próximos. Crescemos com eles, na família, numa teia de cumplicidades e vivências comuns. O que vivemos entre irmãos é único, irrepetível, molda a nossa vida para sempre", pode ler-se no texto da petição.

Segundo os proponentes, torna-se por isso muito "importante assinalar um dia dedicado aos irmãos, à relação entre irmãos".

"É o que propomos. A criação do 'Dia dos Irmãos'. Quer em família, quer socialmente, essa é a maneira de mantermos sempre presente, fortalecermos e festejarmos o que, de tão importante, acontece entre irmãos", referem.

As aventuras, descobertas, solidariedade, proximidade, cumplicidade, entreajuda, cooperação e divisão de tarefas são alguns dos exemplos daquilo que é construído entre irmãos.

Com Lusa

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".