sicnot

Perfil

País

Grande Reportagem da SIC ganha prémio da Sociedade Portuguesa de Autores

A Sociedade Portuguesa de Autores entregou o prémio de Melhor Programa de Informação aos jornalistas da SIC Sofia Arêde, Fernando Silva e Ricardo Tenreiro pela Grande Reportagem "Sobreviventes".

Grande Reportagem "Os Sobreviventes" de Sofia Arêde da SIC Notícias

Grande Reportagem "Os Sobreviventes" de Sofia Arêde da SIC Notícias

"Sobreviventes", de Sofia Arêde com imagem de Fernando Silva, edição de Ricardo Tenreiro e grafismo de Alexandre Ferrada, conta a história de refugiados que sobreviveram à travessia do Mediterrâneo.

Os prémios foram anunciados terça-feira à noite na Gala Anual da Sociedade Portuguesa de Autores, no Teatro D. Maria I, em Lisboa, com a presença do ministro da Cultura, João Soares, durante a qual foram revelados os vencedores das oito categorias do Prémio Autores 2016.

Segundo a lista publicada hoje na página da SPA na Internet, o prémio de Melhor Programa de Ficção foi para "Os Maias - Cenas da Vida Romântica", do realizador João Botelho , e "Visita Guiada", de Paula Moura Pinheiro (RTP2), venceu o de Melhor Programa de Entretenimento.

No que diz respeito à literatura, o prémio de Melhor Livro de Ficção Narrativa foi para "O Olhar e a Alma", um romance de Modigliani de Cristina Carvalho, da Editorial Planeta, e o Melhor Livro de Poesia foi para "A sombra do Mar", de Armando Silva Carvalho, da Editora Assírio & Alvim.

Ainda na Literatura, o prémio de Melhor Livro Infanto-Juvenil foi para "A palavra perdida", de Inês Fonseca Santos e ilustração de Marta Madureira, da editora Arranha-Céus.

Na dança, o prémio de Melhor Coreografia foi para Tiago Rodrigues, com "A perna esquerda de Tchaikowski".

Na rádio, António Macedo venceu o prémio de Melhor Programa de Rádio com "Programa da Manhã" e nas artes visuais, o galardão de Melhor Exposição de artes plásticas foi para "Helena Almeida: Minha obra é o meu corpo, o meu corpo é a minha obra', de Helena Almeida.

Valter Vinagre ganhou o prémio de Melhor Trabalho de Fotografia com "Posto de Trabalho" e José Capela o de Melhor Trabalho Cenográfico com "Pirandello".

Quanto aos prémios de Teatro, Nuno Cardoso venceu o de Melhor Espetáculo, com "Demónios", Sofia Marques arrecadou o galardão de Melhor Atriz em "Lisboa famosa, portuguesa e milagrosa" e o de Melhor Ator foi para Miguel Moreira, em "Ricardo III".

Ainda no teatro, o prémio de Melhor Texto Português Representado foi para Jorge Listopad, com "Para uma encenação de Hamlet".

No que diz respeito ao cinema, Margarida Cardoso venceu os prémios de Melhor Argumento e de Melhor Filme, com "Yvone Kane".

O prémio de Melhor atriz foi para Joana de Verona, em "As Mil e uma noites", e o de Melhor Ator para José Mata, em "Amor Impossível".

Na música, David Fonseca ganhou o prémio da SPA para Melhor Tema de Música Popular, com "Chama-me que eu vou", o maestro Álvaro Cassuto o de Melhor Trabalho de Música Erudita, pela obra "José Viana da Mota -- À Pátria (Royal Liverpool Philharmonic Orchestra)", e o de Melhor Disco foi para os Moonspell, com "Extinct".

Durante a cerimónia foi entregue o Prémio Internacional da SPA ao jurista Gadi Oron, diretor-geral da Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores, que completa 90 anos, tantos quantos a SPA, em maio.

No evento foi também entregue ao encenador Carlos Avilez, fundador do Teatro Experimental de Cascais, em 1965, o Prémio Vida e Obra. Segundo comunicado da SPA, esta é "a mais antiga companhia de teatro independente em atividade".

As autarquias de Óbidos e Idanha-a-Nova irão receberam o Prémio para a Melhor Programação Cultural Autárquica.

O Prémio Autores foi atribuído pela primeira vez em 2010, pela SPA, para distinguir criadores portugueses, em diferentes áreas de criação artística, que vão da rádio e da televisão, à música, dança, artes plásticas, literatura, teatro e ao cinema.

Com Lusa

  • Os Sobreviventes
    41:48

    Grande Reportagem SIC

    Na Grande Reportagem, a SIC dá-lhe a conhecer as histórias de sobrevivência de quem arriscou a vida na travessia do Mediterrâneo para tentar chegar à Europa. Hamad ia passar para a 4ª classe quando a guerra o obrigou a fugir da Síria com a família. O pequeno barco em que viajavam, com mais 400 pessoas, acabaria por naufragar antes de chegar a Lampedusa. Duas centenas de pessoas morreram. Hamad, com 10 anos, foi um dos sobreviventes.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.