sicnot

Perfil

País

Barra da Figueira da Foz está fechada e outras quatro estão condicionadas

A barra da Figueira da Foz está fechada para navegação a embarcações de comprimento inferior a 11 metros e outras quatro barras no continente também estão condicionadas, segundo a página online da Autoridade Marítima Nacional.

(ARQUIVO)

(ARQUIVO)

© Stephane Mahe / Reuters

Segundo a Marinha, a barra da Figueira da Foz está fechada "a embarcações de comprimento inferior a 11 metros a partir das 20:50 horas" de sexta-feira.

A barra de Póvoa do Varzim está "condicionada a embarcações com calado superior a dois metros. Devem praticar a barra no período compreendido entre duas horas antes até duas horas após a preia-mar".

A barra de Vila do Conde está "fechada a embarcações com calado superior a dois metros. Devem praticar a barra no período compreendido entre duas horas antes até duas horas após a preia-mar"

Em Aveiro, a barra está "fechada a embarcações com comprimento inferior a 15 metros", referiu a Marinha.

Em São Martinho do Porto, a barra está "condicionada a navegação devido ao assoreamento e a "navegação deve proceder com cautela e praticar a barra apenas em preia-mar".

As demais barras no continente e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores estão abertas "a toda a navegação", segundo a página da Marinha na Internet.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.