sicnot

Perfil

País

Governo pede parecer da Autoridade dos Transportes sobre legalidade da Uber

O Governo pediu um parecer sobre a Uber à Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, que será emitido durante o mês de abril, afirmou hoje o presidente do regulador dos transportes, João Carvalho.

Na apresentação do plano de atividades para 2016, o presidente da AMT disse que há poucos dias o Governo pediu uma pronúncia sobre a Uber, recusando por isso a pronunciar-se sobre a legalidade da plataforma que fornece serviço de transporte.

Ainda assim, o responsável considerou que "nenhum setor de atividade pode estar acima da lei".

"As leis que existem neste setor não levantam dúvidas", afirmou.

A AMT tem 10 dias úteis, desde a data do pedido, para emitir o parecer solicitado pelo Ministério do Ambiente, que tem a tutela dos transportes urbanos.

A 01 de março, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, disse que, em Portugal, o transporte de passageiros tem de ser feito por operadores de transporte e a Uber não tem este estatuto.

"A lei é clara quando diz que, para haver transporte de passageiros, ele só pode ser feito por operadores de transporte", afirmou o ministro no parlamento, realçando que "a Uber não é um operador de transporte".

Em declarações aos jornalistas, João Carvalho adiantou hoje que está a decorrer um processo de recrutamento para reforçar os meios humanos da AMT, que deverá chegar ao final do ano com 82 colaboradores, que compara com os 20 colaboradores que tinha em final de 2015.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.