sicnot

Perfil

País

Funerais das vítimas do acidente em França decorrem hoje em Portugal

Os funerais dos 12 emigrantes portugueses que morreram na semana passada num acidente rodoviário perto de Lyon, em França, decorrem hoje nos sete municípios portugueses onde as vítimas tinham morada.

Cinfães (de onde eram quatro vítimas, incluindo uma criança), Sernancelhe (que conta com um casal entre as vítimas), Oliveira de Azeméis (onde duas vítimas tinham morada), Pombal, Castelo de Paiva, Arouca e Trancoso são os concelhos onde vão decorrer as cerimónias, confirmadas por autarcas.

Os 12 portugueses, com idades entre os 07 e os 63 anos, morreram na sequência do choque frontal entre a carrinha em que seguiam e um veículo pesado, na quinta-feira passada, na estrada nacional 79, perto de Lyon, na localidade de Moulins (centro).

O grupo tinha partido da Suíça e tinha como destino Portugal.

A carrinha desviou-se para a faixa contrária e colidiu de frente com o camião.

O único sobrevivente dos 13 ocupantes da carrinha é o condutor, um jovem de 19 anos, também português, que foi hospitalizado em estado de choque e entretanto detido, na terça-feira.

Também o proprietário da carrinha, tio do condutor, foi detido, segundo o jornal local Lamontagne.

Na sexta-feira, o procurador público de Moulins afirmou que as autoridades iam averiguar se a carrinha envolvida no acidente tinha condições para transportar 13 pessoas.

O presidente da Câmara de Montbeugny, a localidade onde se deu o acidente, explicou à Lusa que os dois portugueses "vão ser ouvidos e as suas versões confrontadas".

Guy Charmetant salientou que "certo é que o jovem cometeu uma infração em solo francês" porque "em França para poder conduzir um veículo com mais de nove pessoas tem de ter obrigatoriamente 21 anos".

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.