sicnot

Perfil

País

Atividade da extrema direita aumenta em Portugal

O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2015 dá conta de um aumento da atividade da extrema-direita, em Portugal, de contestação às políticas migratórias e ao acolhimento de refugiados, destacando o crescimento do número de militantes desta tendência.

Arquivo

Arquivo

© Dimitris Michalakis / Reuters

"No contexto da extrema-direita portuguesa, é de realçar a intensificação do ativismo político e social de contestação às políticas migratórias, ao acolhimento de refugiados e ao que se designa de 'islamização da Europa'. Apesar de esta atividade não se traduzir em ações violentas, contribuiu para a difusão da sua ideologia e para a radicalização dos seus militantes", refere o RASI, no capítulo "ameaças globais à segurança".

O documento avança também que se continuou a registar "um elevado dinamismo ao nível das atividades do movimento 'skinhead' neonazi (concertos, encontros) situação que tem impacto direto no crescimento do número de militantes e de organizações desta matriz ideológica".

Em contrapartida, o movimento anarquista e autónomo em Portugal continuou em "fase de recuo", assim como os incidentes relacionados com o 'hacktvismo', que, em 2015, evidenciou o declínio da capacidade técnica dos atuais coletivos 'hacker' nacionais e da sua capacidade de mobilização.

O RASI 2015 foi hoje entregue pelo Governo na Assembleia da República e indica que a criminalidade geral aumentou 1,3 por cento, no ano passado, face a 2014, e que a criminalidade violenta e grave diminuiu 0,6 por cento.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.