sicnot

Perfil

País

Atividade da extrema direita aumenta em Portugal

O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2015 dá conta de um aumento da atividade da extrema-direita, em Portugal, de contestação às políticas migratórias e ao acolhimento de refugiados, destacando o crescimento do número de militantes desta tendência.

Arquivo

Arquivo

© Dimitris Michalakis / Reuters

"No contexto da extrema-direita portuguesa, é de realçar a intensificação do ativismo político e social de contestação às políticas migratórias, ao acolhimento de refugiados e ao que se designa de 'islamização da Europa'. Apesar de esta atividade não se traduzir em ações violentas, contribuiu para a difusão da sua ideologia e para a radicalização dos seus militantes", refere o RASI, no capítulo "ameaças globais à segurança".

O documento avança também que se continuou a registar "um elevado dinamismo ao nível das atividades do movimento 'skinhead' neonazi (concertos, encontros) situação que tem impacto direto no crescimento do número de militantes e de organizações desta matriz ideológica".

Em contrapartida, o movimento anarquista e autónomo em Portugal continuou em "fase de recuo", assim como os incidentes relacionados com o 'hacktvismo', que, em 2015, evidenciou o declínio da capacidade técnica dos atuais coletivos 'hacker' nacionais e da sua capacidade de mobilização.

O RASI 2015 foi hoje entregue pelo Governo na Assembleia da República e indica que a criminalidade geral aumentou 1,3 por cento, no ano passado, face a 2014, e que a criminalidade violenta e grave diminuiu 0,6 por cento.

Lusa

  • "O PSD não é o bombeiro de serviço desta geringonça"
    1:09

    TSU

    O líder da bancada social-democrata avisa os partidos da esquerda para que tenham o caso da TSU como exemplo e não voltem a usar o PSD como muleta em situações em que não estejam de acordo com o Governo, como pode vir a acontecer com as PPP no setor da saúde. Luís Montenegro foi entrevistado esta manhã na SIC Notícias.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.