sicnot

Perfil

País

Consenso no estatuto de Panteão para o Mosteiro dos Jerónimos

O Parlamento debateu hoje um projeto de lei do PS pedindo que o Mosteiro dos Jerónimos mereça estatuto de Panteão Nacional, e todas as bancadas definiram a discussão como pertinente e convergiram nesse propósito.

© Nacho Doce / Reuters

Pedro Delgado Alves, deputado do PS, apresentou o projeto de lei dos socialistas que, na essência, pede o reconhecimento do estatuto de Panteão Nacional aos Jerónimos "sem prejuízo da prática do culto religioso", sendo que o Panteão permanece instalado em Lisboa, na Igreja de Santa Engrácia.

Acrescentar o Mosteiro dos Jerónimos como local com estatuto de Panteão é, afirmou Pedro Delgado Alves, um "reconhecimento histórico e justo" às várias individualidades ali sepultadas, casos de Luís de Camões ou Vasco da Gama.

O PSD, pelo deputado Pedro Pimpão, declarou haver "condições para tratar esta matéria de forma consensual" a nível parlamentar, "dignificando e preservando" a memória coletiva de alguns dos "maiores vultos" do país.

"Não apenas no Panteão Nacional repousam alguns dos nossos maiores", declarou por sua vez o deputado do Bloco de Esquerda Jorge Campos.

Já o CDS-PP, pela voz de Pedro Mota Soares, advogou que "do ponto de vista popular, de apoio e entusiasmo", o Mosteiro dos Jerónimos "nunca foi desconsagrado", e os vultos lá sepultados são permanentemente lembrados pelos portugueses.

O PCP demonstrou também concórdia com o projeto socialista: "Homenagear os egrégios que nos precederam e notabilizaram e ficaram na memória coletiva é algo meritório", vincou o deputado António Filipe.

O texto do PS, que deverá merecer "luz verde" das várias bancadas esta tarde, diz que o Mosteiro dos Jerónimos " continua a representar um papel incontornável na valorização da memória histórica coletiva, desempenhando uma função em tudo similar à de Panteão Nacional".

"Efetivamente, aí se encontram sepultados, em túmulos do escultor Costa Motta (tio), desde o final do século XIX, dois vultos maiores da história portuguesa do século XVI, Vasco da Gama e Luís Vaz de Camões (ambos reconhecidos na Panteão Nacional através de cenotáfios evocativos), aí repousam os restos mortais de Alexandre Herculano, e, atento o relevo simbólico do local, aí foram depositadas as cinzas do poeta Fernando Pessoa em 1985, em túmulo de autoria de Lagoa Henriques, aquando da comemoração dos 50 anos do seu falecimento", prossegue o texto dos socialistas.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.