sicnot

Perfil

País

Mortes em acidentes rodoviários em Portugal diminuíram entre 2010 e 2015

As mortes registadas em acidentes rodoviários entre 2010 e 2015 diminuíram em Portugal 33%, enquanto a média da União Europeia se situou numa descida de 17%, segundo as estatísticas preliminares hoje divulgadas.

Segundo o relatório da Comissão Europeia, Portugal foi o terceiro país onde os números mais baixaram nestes cinco anos, atrás da Grécia (-36%) e da Dinamarca (-35%).

Na comparação entre 2014 e 2015, a média europeia de mortes na estrada aumentou 1%, estando Portugal (-2%) entre os 10 países onde as estatísticas diminuíram.

Na conferência de imprensa de apresentação dos dados, em Bruxelas, a comissária responsável pelos Transportes, Violeta Bulc, comentou o acidente, em França, no qual morreram 12 emigrantes portugueses.

"Foi um acontecimento muito trágico e só posso esperar que não se repita", afirmou a responsável, sublinhando caber agora às autoridades locais analisar as causas.

"Os serviços de transportes em autocarros, em geral, são seguros", considerou ainda.

Doze portugueses, com idades entre os 7 e os 63 anos, morreram na sequência do choque frontal entre a carrinha em que seguiam e um veículo pesado, na quinta-feira passada, na estrada nacional 79, perto de Lyon, na localidade de Moulins.

O grupo tinha partido da Suíça e tinha como destino Portugal. A carrinha desviou-se para a faixa contrária e colidiu de frente com o camião.

O único sobrevivente dos 13 ocupantes da carrinha é o condutor, um jovem de 19 anos, também português, que foi hospitalizado em estado de choque e entretanto detido, na terça-feira.

Também o proprietário da carrinha, tio do condutor, foi detido.

As estatísticas hoje publicadas confirmam que as estradas europeias continuam como das mais seguras a nível mundial, apesar do recente abrandamento na redução das mortes nas estradas, tendo sido registadas 26 mil mortos no ano passado, menos 5.500 em comparação com 2010.

"Porém não há melhoria a nível da UE em comparação com 2014" e a Comissão estima que 135 mil pessoas tenham ficado gravemente feridas em acidentes nas estradas dos 28, enquanto a nível de custos sociais a fatura deverá ser, pelo menos, cem mil milhões de euros, lê-se no comunicado do executivo comunitário.

A comissária europeia saudou os "resultados impressionantes" conseguidos nas últimas décadas, mas ressalvou ser "alarmante a atual estagnação" dos números.

Violeta Bulc instou os Estados-membros a reforçar esforços para aumentar a segurança rodoviária, nomeadamente através da aplicação das regras de trânsito, desenvolvimento de infraestruturas, educação e campanhas de sensibilização.

Em 2015, a taxa média de mortalidade nas estradas, a nível da UE, foi de 51.5 por milhão de habitantes, um número que se tem mantido nos últimos dois anos, enquanto entre 2012 e 2013 houve uma redução significativa de 8%.

Os números em Portugal mostram que em 2010 morriam 80 pessoas por milhão de habitante, um número que diminuiu para 61 em 2014 e para 60 no ano passado.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.