sicnot

Perfil

País

Três polícias mortos em 2015 durante atividade operacional

Três polícias morreram, em 2015, em consequência da atividade operacional das forças de segurança, depois de em 2014 não se terem registado mortes, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2015, hoje divulgado.

O RASI adianta que, dos três elementos das forças de segurança mortos, dois eram agentes da PSP e um era militar da GNR.

O relatório indica também que cinco polícias ficaram feridos e necessitaram de internamento, 320 sofreram ferimentos, mas não ficaram internados, e 291 ficaram feridos e não receberem tratamento médico.

Com exceção das mortes ocorridas, não se registaram grandes variações relativamente a 2014 sobre os polícias feridos, refere o documento, hoje entregue na Assembleia da República.

De acordo com o RASI, em 2015 registaram-se danos em 51 viaturas ligeiras da PSP e da GNR, em consequência da atividade operacional.

O mesmo documento refere ainda que, em resultado das intervenções da PSP e da GNR, em 2015, 79 pessoas ficaram feridas, três das quais necessitaram de internamento, e 13 viaturas sofreram dados.

O RASI 2015, hoje entregue no parlamento, indica que a criminalidade geral aumentou 1,3 por cento, no ano passado, face a 2014, mas a criminalidade violenta e grave diminuiu 0,6 por cento.

Lusa

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.