sicnot

Perfil

País

Três polícias mortos em 2015 durante atividade operacional

Três polícias morreram, em 2015, em consequência da atividade operacional das forças de segurança, depois de em 2014 não se terem registado mortes, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2015, hoje divulgado.

O RASI adianta que, dos três elementos das forças de segurança mortos, dois eram agentes da PSP e um era militar da GNR.

O relatório indica também que cinco polícias ficaram feridos e necessitaram de internamento, 320 sofreram ferimentos, mas não ficaram internados, e 291 ficaram feridos e não receberem tratamento médico.

Com exceção das mortes ocorridas, não se registaram grandes variações relativamente a 2014 sobre os polícias feridos, refere o documento, hoje entregue na Assembleia da República.

De acordo com o RASI, em 2015 registaram-se danos em 51 viaturas ligeiras da PSP e da GNR, em consequência da atividade operacional.

O mesmo documento refere ainda que, em resultado das intervenções da PSP e da GNR, em 2015, 79 pessoas ficaram feridas, três das quais necessitaram de internamento, e 13 viaturas sofreram dados.

O RASI 2015, hoje entregue no parlamento, indica que a criminalidade geral aumentou 1,3 por cento, no ano passado, face a 2014, mas a criminalidade violenta e grave diminuiu 0,6 por cento.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.