sicnot

Perfil

País

Três polícias mortos em 2015 durante atividade operacional

Três polícias morreram, em 2015, em consequência da atividade operacional das forças de segurança, depois de em 2014 não se terem registado mortes, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2015, hoje divulgado.

O RASI adianta que, dos três elementos das forças de segurança mortos, dois eram agentes da PSP e um era militar da GNR.

O relatório indica também que cinco polícias ficaram feridos e necessitaram de internamento, 320 sofreram ferimentos, mas não ficaram internados, e 291 ficaram feridos e não receberem tratamento médico.

Com exceção das mortes ocorridas, não se registaram grandes variações relativamente a 2014 sobre os polícias feridos, refere o documento, hoje entregue na Assembleia da República.

De acordo com o RASI, em 2015 registaram-se danos em 51 viaturas ligeiras da PSP e da GNR, em consequência da atividade operacional.

O mesmo documento refere ainda que, em resultado das intervenções da PSP e da GNR, em 2015, 79 pessoas ficaram feridas, três das quais necessitaram de internamento, e 13 viaturas sofreram dados.

O RASI 2015, hoje entregue no parlamento, indica que a criminalidade geral aumentou 1,3 por cento, no ano passado, face a 2014, mas a criminalidade violenta e grave diminuiu 0,6 por cento.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.