sicnot

Perfil

País

Alberto João Jardim começa hoje a ser julgado por difamação

O ex-presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, começa hoje a ser julgado pelos crimes de difamação, injúrias e abuso de liberdade de imprensa contra o historiador e militante do PS António Fernandes Loja.

HOMEM DE GOUVEIA / Lusa


Alberto João Jardim teve julgamento marcado para 17 de fevereiro, mas o tribunal da Instância Local da Comarca da Madeira adiou-o para hoje.

O ex-governante responde pelas expressões utilizadas em dois artigos de opinião - sob o título "A loja dos rancores" - publicados no Jornal da Madeira a 23 e 26 de novembro de 1994 e consideradas por António Loja "atentatórias do seu bom nome, honra e consideração".

"Era marxista há menos de oito dias, agora é só interpretação histórica", "tão pirado que não vê as próprias grosserias e descobre-as nos outros", "não fui eu que andei com perseguições após o 25/4 [25 de Abril]", "nunca andei a espreitar funcionários policialmente", "a criatura endoidou", "ordinarote" e "o homenzinho, ao ler isto, caem-lhe mais três dentes, dois de raiva e um de senilidade", foram algumas das expressões e frases utilizadas pelo então líder madeirense, segundo a acusação.

No processo, foi deduzida acusação particular e feito um pedido cível de indemnização no valor de 600.000 escudos (perto de 3.000 euros) contra o social-democrata.

O ex-governante riposta, por seu lado, que as expressões foram utilizadas no âmbito do debate político.

Alberto João Jardim foi presidente do Governo Regional da Madeira entre 18 de março de 1978 e 12 de janeiro de 2015, mantendo-se como presidente em exercício até 20 de abril de 2015, dia da tomada de posse do XII Governo Regional de Miguel Albuquerque, que lhe sucedeu na liderança do PSD/Madeira.

Lusa

  • João Jardim diz que ainda não foi notificado para responder como arguido
    0:22

    País

    Alberto João Jardim vai ser constituído arguido no âmbito do processo "Cuba livre", que investiga a dívida pública da Madeira. Em causa, poderão estar os crimes de prevaricação, abuso de poder e violação das normas orçamentais. Esta noite, à saída da Fundação Social Democrata da Madeira, no Funchal, o ex-presidente do Governo Regional garantiu à SIC que ainda não foi notificado.

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC