sicnot

Perfil

País

Passos vai apresentar no congresso equipa e estratégia para tempos de oposição

Eleito pela quarta vez presidente dos sociais-democratas, com 95% dos votos, sem adversários, Passos Coelho chega ao Congresso do PSD com os desafios de apresentar uma equipa renovada e a sua estratégia para os atuais tempos de oposição.

Pedro Passos Coelho, líder do PSD

Pedro Passos Coelho, líder do PSD

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Entre hoje e domingo, no 36.º Congresso do PSD, em Espinho, os sociais-democratas vão eleger os novos órgãos nacionais - Mesa do Congresso, Conselho Nacional, Conselho de Jurisdição Nacional e Comissão Política Nacional - e aprovar a moção de estratégia global do líder para os próximos dois anos, intitulada "Compromisso Reformista".

Nesta moção, Passos Coelho volta a referir que é oposição apesar de ter vencido as últimas legislativas em coligação com o CDS-PP, defende que "o PS e o Governo começaram mal" e reitera o lema "social-democracia, sempre!", recusando que tenha existido um "direitismo austeritário" nos quatro anos e meio em que chefiou o executivo.

Embora continue sem oposição organizada ao fim de seis anos de liderança, o ex-primeiro-ministro tem recebido algumas críticas de falta de adaptação ao novo quadro político de oposição ao Governo do PS, suportado por BE, PCP e PEV, e de se manter excessivamente focado nas contas públicas.

Uma das vozes críticas tem sido Rui Rio, que em dezembro lançou dúvidas sobre a possibilidade de Passos Coelho ganhar novas eleições legislativas. Contudo, o ex-autarca do Porto já anunciou que não estará presente no Congresso, alegando que se "arriscaria a ser um elemento central".

O antigo ministro Nuno Morais Sarmento, que também disse ver "com enorme dificuldade" uma candidatura de Passos Coelho a primeiro-ministro mais a prazo, num novo ciclo político, afirmou à Lusa que não saber ainda se vai comparecer em Espinho.

O presidente do PSD deverá, no entanto, ouvir críticas do antigo secretário de Estado José Eduardo Martins, num Congresso em que também são esperadas intervenções do eurodeputado Paulo Rangel, seu ex-adversário na corrida à liderança, que pede uma renovação de agenda e da direção, e do antigo líder da JSD Pedro Duarte.

Em entrevista à Lusa, Pedro Duarte, que recentemente esteve na direção da campanha presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que o PSD não pode estar à espera de eleições e propôs a realização de uns "Estados Gerais" para preparar uma proposta política de futuro, ressalvando que continua afastado da vida política ativa.

Hoje, a abertura do Congresso está prevista para as 21:00,com a apresentação da moção de Passos Coelho e o início do debate das 27 propostas temáticas, que abordam temas como a reforma do sistema político, as primárias para a escolha do candidato a primeiro-ministro e as eleições autárquicas de 2017.

O debate dessas moções prosseguirá no sábado, dia em que termina o prazo para entrega das listas aos órgãos nacionais, às 19:00. A sessão de encerramento, no domingo, está marcada para as 13:00.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.