sicnot

Perfil

País

Autarquia de Lisboa lança campanha para ajudar crianças a saber reagir contra abusos

A Câmara Municipal de Lisboa arranca hoje com uma campanha para a prevenção dos maus tratos a crianças e jovens, ajudando os mais pequenos a denunciar, recusar e reagir, compreendendo o que não podem e não devem aceitar.

© Neil Hall / Reuters

A campanha decorre durante o mês de abril, em parceria com a Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco e a Associação de Mulheres Contra a Violência.

"O lema deste ano é [que] a melhor forma de tratar o problema é impedir que aconteça e a prevenção faz-se desde logo com as crianças até aos adultos", explicou à Lusa o vereador dos Assuntos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa.

Segundo João Afonso, trata-se de conseguir percecionar devidamente o problema, com base no conhecimento e na informação, para depois poder intervir.

"Fazer com que as crianças possam denunciar, recusar, reagir para perceberem o que não podem e não devem aceitar", sublinhou o vereador.

O responsável apontou que é preciso dizer aos mais novos quais são os perigos, sublinhando que esses perigos nem sempre são óbvios.

"Quando é violência física, é mais óbvio e mais evidente. Quando é violência psicológica, já começamos a falhar algumas vezes o que é e o que não é. Quando é violência sexual às vezes há um certo preconceito em encarar e em aceitar que isso é possível sequer", frisou.

Nesse sentido, adiantou que esta campanha é, no fundo, um processo de capacitação não só para crianças, mas também para adultos, necessariamente através de meios e recursos diferentes.

"Para as crianças um jogo, as brincadeiras, desenhos, para os jovens a visualização dos filmes, para os adultos os debates sérios e confrontando as pessoas com a dimensão deste problema", explicou.

A campanha é apresentada hoje numa sessão pública e visa chegar a vários públicos, desde o mais institucional, passando pelas escolas -- primárias e secundárias -- até aos educadores, professores e às famílias da cidade de Lisboa.

O vereador adiantou que vai haver uma mesa redonda sobre o desafio da prevenção, além de filmes, dirigidos a um público mais juvenil, que vão ser apresentados durante o mês de abril, a seguir aos quais há debate sobre o tema, bem como um fórum sobre "a prevenção de violência de crianças e jovens com deficiências".

Este fórum será também levado a Coimbra (no dia 11 de abril), à Guarda (no dia 15 de abril) e a Beja (no dia 26 de abril).

Ainda neste campo, será também apresentado um jogo para a "prevenção primária de abuso sexual para crianças dos seis aos 10 anos", a 28 de abril, no Teatro Thalia.

Já as ações de sensibilização decorrem todos os dias úteis do mês junto dos agrupamentos escolares do concelho de Lisboa, com recurso à visualização de filmes e palestras.

Será ainda realizado um concurso interescolar, destinado a alunos desde o pré-escolar até ao 12.º ano e que poderá contemplar fotografia, desenhos, vídeos, poemas e reflexões ilustrativas do tema.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de 4 anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.