sicnot

Perfil

País

Autarquia de Lisboa lança campanha para ajudar crianças a saber reagir contra abusos

A Câmara Municipal de Lisboa arranca hoje com uma campanha para a prevenção dos maus tratos a crianças e jovens, ajudando os mais pequenos a denunciar, recusar e reagir, compreendendo o que não podem e não devem aceitar.

© Neil Hall / Reuters

A campanha decorre durante o mês de abril, em parceria com a Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco e a Associação de Mulheres Contra a Violência.

"O lema deste ano é [que] a melhor forma de tratar o problema é impedir que aconteça e a prevenção faz-se desde logo com as crianças até aos adultos", explicou à Lusa o vereador dos Assuntos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa.

Segundo João Afonso, trata-se de conseguir percecionar devidamente o problema, com base no conhecimento e na informação, para depois poder intervir.

"Fazer com que as crianças possam denunciar, recusar, reagir para perceberem o que não podem e não devem aceitar", sublinhou o vereador.

O responsável apontou que é preciso dizer aos mais novos quais são os perigos, sublinhando que esses perigos nem sempre são óbvios.

"Quando é violência física, é mais óbvio e mais evidente. Quando é violência psicológica, já começamos a falhar algumas vezes o que é e o que não é. Quando é violência sexual às vezes há um certo preconceito em encarar e em aceitar que isso é possível sequer", frisou.

Nesse sentido, adiantou que esta campanha é, no fundo, um processo de capacitação não só para crianças, mas também para adultos, necessariamente através de meios e recursos diferentes.

"Para as crianças um jogo, as brincadeiras, desenhos, para os jovens a visualização dos filmes, para os adultos os debates sérios e confrontando as pessoas com a dimensão deste problema", explicou.

A campanha é apresentada hoje numa sessão pública e visa chegar a vários públicos, desde o mais institucional, passando pelas escolas -- primárias e secundárias -- até aos educadores, professores e às famílias da cidade de Lisboa.

O vereador adiantou que vai haver uma mesa redonda sobre o desafio da prevenção, além de filmes, dirigidos a um público mais juvenil, que vão ser apresentados durante o mês de abril, a seguir aos quais há debate sobre o tema, bem como um fórum sobre "a prevenção de violência de crianças e jovens com deficiências".

Este fórum será também levado a Coimbra (no dia 11 de abril), à Guarda (no dia 15 de abril) e a Beja (no dia 26 de abril).

Ainda neste campo, será também apresentado um jogo para a "prevenção primária de abuso sexual para crianças dos seis aos 10 anos", a 28 de abril, no Teatro Thalia.

Já as ações de sensibilização decorrem todos os dias úteis do mês junto dos agrupamentos escolares do concelho de Lisboa, com recurso à visualização de filmes e palestras.

Será ainda realizado um concurso interescolar, destinado a alunos desde o pré-escolar até ao 12.º ano e que poderá contemplar fotografia, desenhos, vídeos, poemas e reflexões ilustrativas do tema.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46