sicnot

Perfil

País

Católicos são os que doam mais embriões para investigação científica em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública do Porto revela que os católicos são os que doam mais embriões para a investigação científica em Portugal e que os casais escolarizados são os maiores desistentes ao longo do tempo.

1997 - A UNESCO interdita a clonagem humana, estabelecendo critérios éticos para a investigação sobre o genoma humano e suas aplicações. Na imagem, embrião num primeiro estádio clonado em 2008.

1997 - A UNESCO interdita a clonagem humana, estabelecendo critérios éticos para a investigação sobre o genoma humano e suas aplicações. Na imagem, embrião num primeiro estádio clonado em 2008.

© Ho New / Reuters

Esta investigação realizada num hospital universitário português, e a que a Lusa teve hoje acesso, reforça a ideia de que o consentimento informado para a doação de embriões para investigação científica só deve ser assinado no final dos tratamentos de fertilidade.

Este trabalho científico, publicado na revista Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica, analisa a vontade de casais sujeitos a tratamentos de Procriação Medicamente Assistida de doarem embriões crio-preservados para investigação científica desde 15 dias após a transferência do embrião (momento em que já existe uma confirmação, ou não, da gravidez) até 12 meses depois, tendo em conta fatores psicossociais, demográficos e reprodutivos. Os participantes foram avaliados em dois momentos distintos.

A escolaridade, a prática religiosa e a importância dada à investigação influenciam a tomada de decisão para a doação de embriões crio-preservados por casais sujeitos a tratamentos de fertilidade.

Participaram neste estudo 72 casais heterossexuais sujeitos a tratamentos de Procriação Medicamente Assistida (fertilização in vitro ou microinjeção intracitoplasmática de espermatozoide) num hospital universitário português, entre 2011 e 2012.

Se, no início, uma grande parte (86,5%) dizia estar disposta a doar os embriões, no segundo momento verificou-se um decréscimo significativo dessa vontade (76,3%).

Susana Silva, uma das investigadoras responsáveis pelo trabalho, ressalvou que "Portugal apresenta, em termos europeus, uma das proporções mais elevadas de casais dispostos a doar embriões para investigação científica".

Enquanto os participantes com menor escolaridade (=12 anos de educação) não tiveram uma evolução significativa na vontade de doar ao longo do tempo, mais participantes educados (>12 anos de estudo) mostraram-se menos dispostos a doar embriões para pesquisasSobre este aspeto, a investigadora Susana Silva disse que "um dos argumentos que as pessoas usam para doar prende-se com as expectativas sobre os benefícios", além de que o facto de "em Portugal não estar a ser desenvolvido nenhum projeto com embriões humanos leva a que não vislumbrem uma concretização efetiva".

A intenção da doação não se alterou naqueles com uma prática religiosa mais frequente (pelo menos uma vez por mês), ao contrário daqueles cuja prática religiosa acontece menos de uma vez por mês.

Também não houve variações nos casais que consideraram a pesquisa com embriões humanos "muito importante". Aqueles para quem aquela é apenas "importante" registaram um decréscimo na sua intenção de doá-los para investigação.

"O facto de haver mudança ao longo do tempo realça a importância de ponderar sobre o momento adequado de aplicação do consentimento informado, apontando para que este deva ser assinado no final do tratamento", reforçou Catarina Samorinha, a primeira autora do artigo.

Acrescentou que "conhecer as experiências e perspetivas dos pacientes quanto aos fatores humanos e do sistema de saúde que estão envolvidos no processo de decisão em relação à doação de embriões para investigação científica, é fundamental para melhorar a prestação de cuidados centrados no paciente no contexto da Procriação Medicamente Assistida".

A investigadora Susana Silva considerou que estas conclusões levam "a pensar nas orientações do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida" para a assinatura do consentimento informado, que, como reforçam os dados resultantes desta investigação, "deverá ser feita no fim do tratamento, em consonância com as recomendações do Comité de Ética da Sociedade Americana para a Medicina Reprodutiva".

  • Não há risco de colapso do viaduto de Alcântara
    1:35

    País

    O desvio de um pilar do viaduto de Alcântara obrigou esta quarta-feira ao corte do trânsito e da circulação de comboios da linha de Cascais. O estrago terá sido provocado por um camião que embateu na estrutura. A circulação ferroviária foi retomada a meio da manhã, mas o viaduto só será reaberto esta quinta-feira.

  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Romeu e Julieta nasceram no mesmo dia e no mesmo hospital

    Mundo

    Na Carolina do Sul, nos EUA, dois bebés tinham o parto marcado para 26 de março mas decidiram nascer mais cedo: exatamente no mesmo dia, apenas com uma diferença de 18 horas. Os pais não se conheciam e, curiosamente, deram o nome aos recém nascidos de Romeo e Juliet (em português, Romeu e Julieta).

  • Gelo nos polos recua para recordes mínimos

    Mundo

    A extensão de gelo polar dos oceanos Ártico e Antártico atingiu recordes mínimos a 13 de fevereiro, perdendo o equivalente a uma área maior do que o México, informou esta quarta-feira a agência espacial norte-americana NASA.

  • Túmulo de Jesus Cristo restaurado

    Mundo

    Após 10 meses de obras de restauro, o túmulo onde Jesus Cristo terá sido sepultado foi esta quarta-feira revelado numa cerimónia na igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém.