sicnot

Perfil

País

Escola vandalizada em Odivelas reabre amanhã

A Escola Secundária da Ramada, Odivelas, que foi vandalizada no sábado, vai retomar as aulas na terça-feira, embora com trabalhos de limpeza a decorrer, disse à agência Lusa o diretor do estabelecimento, Edgar Oleiro.

"Amanhã [terça-feira] vamos retomar [as aulas]. Já fizemos a limpeza daquilo que era possível e amanhã iremos reabrir", afirmou o responsável.

Durante o dia de hoje cerca de 1.500 alunos da Escola Secundária da Ramada ficaram sem aulas devido aos estragos que foram provocados no sábado, tendo sido a quarta vez em mês e meio que aquele estabelecimento de ensino foi vandalizado.

Desta vez, os "autores dos atos de vandalismo destruíram o bar e a sala de convívio, tendo partido computadores e televisores".

Além disso, "vandalizaram a cozinha e o refeitório e partiram 25 vidros enormes colocados nas entradas dos pavilhões dos blocos de aulas", mas não roubaram "absolutamente nada".

Edgar Oleiro, que estima que os estragos ascendam aos 20 mil euros, disse que "a direção da escola tem estado em articulação com a PSP para que haja um reforço da vigilância e se evite que situações semelhantes se repitam."

O responsável referiu, ainda, que a escola também está em conversações com a Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), que está sob tutela do Ministério da Educação, no sentido de pedir um reforço financeiro que "ajude a atenuar os prejuízos".

Contactada pela Lusa, fonte do Ministério da Educação disse que a tutela "está a acompanhar a situação" e assegurou que irá, através da DGEstE, "apoiar a escola para que possa fazer face aos danos ocorridos".

Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.