sicnot

Perfil

País

Sócrates acusa Ministério Público de conduzir processo Operação Marquês "fora da lei"

O ex-primeiro ministro José Sócrates acusou hoje o Ministério Público de "violar o prazo máximo de inquérito" do seu processo, considerando que a lei não está a ser cumprida.

© Hugo Correia / Reuters

"O que mais impressiona é a facilidade e ligeireza com que o Ministério Público colocou esta investigação fora da lei", escreveu José Sócrates num artigo de opinião publicado na edição de hoje do Jornal de Notícias.

O ex-chefe do executivo socialista considerou que, "violado o prazo máximo de inquérito, o diretor do DCIAP devia ter avocado o processo ou marcado outro prazo - a lei não lhe permite outra coisa".

"Marcar prazos para definir o novo prazo final, como já por duas vezes havia feito, foi ilegal. Como é ilegal marcar um prazo final sujeito a adiamentos excecionais: quando o procurador responsável pelo processo o definiu como de excecional complexidade, obtendo por isso o dobro do prazo de um processo normal, estava já na altura a invocar as mesmas razões excecionais", acrescentou.

No artigo, José Sócrates acusou os responsáveis do Ministério Público e a Procuradora Geral da República de, "com tantas razões excecionais", estarem "pura e simplesmente, a transformar um processo que devia ser igual aos outros, num processo, esse sim, excecional".

O ex-primeiro ministro invocou ainda que o direito penal democrático "exige regras claras e previamente definidas", referindo que o único direito natural que pose ser invocado são "os direitos humanos".

Razão pela qual considera que ninguém pode ser julgado "com base em lei retroativa ou investigado com procedimentos definidos arbitrariamente na ocasião", adiantando também ser essa a razão por que os prazos "não podem estar na discricionariedade do Ministério Publico".

"Fazem parte das regras do jogo, dos direitos de defesa, das garantias do processo equitativo. Aceitar estes prazos como indicativos significa aceitar a discricionariedade, o duplo critério e a suspeita de que o Ministério Público não trata todos os processos por igual. E conduz ao que estamos a ver -- a um processo em tudo excecional", acusa.

José Sócrates considerou ainda que, neste momento do processo, quando passa um ano e meio da sua detenção, deveria estar a discutir-se "a substância" ou seja "as provas", mas ao invés disso estão a discutir-se prazos.

No artigo intitulado "Um processo excecional", Sócrates sustentou ainda que o prazo máximo de inquérito foi fixado pelo juiz de instrução e pelo Tribunal da Relação: 19 de outubro de 2015.

Segundo o ex-primeiro-ministro, terminado esse prazo, e segundo a lei, "o procurador responsável comunica ao superior hierárquico que o prazo foi violado -- isto é, que a lei não foi cumprida --, e esse facto deve ter consequências".

" O superior hierárquico pode então fazer uma de duas coisas: avocar o processo ou fixar novo prazo. Pois bem, desde 19 outubro que o diretor do DCIAP não fez nem uma coisa nem outra. Começou por dar um prazo de um mês para ser apresentado um relatório; decorrido quase mês e meio, fixou novo prazo de três meses para... fixar o prazo final", acusou.

"Mais de uma semana depois de esgotados estes três meses, o gabinete de imprensa da Procuradoria Geral da República informa que o diretor fixou 'o prazo limite necessário para concluir o presente inquérito'. Mas, maliciosamente, esconde nova violação da lei, omitindo que, na parte final do despacho, o diretor previu já que 'razões excecionais, devidamente justificadas e fundamentadas, poderão servir de base à fixação de outro prazo'", concluiu.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União Europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.