sicnot

Perfil

País

Cancros colorretais, da próstata, mama e pulmão foram os mais frequentes em 2010

Os cancros mais frequentes em Portugal em 2010 foram os colorretais, da próstata, mama e pulmão, com a região Norte a registar a maior incidência de cancro do estômago e tiroide e a região sul o da mama, disse fonte oficial.

(SIC/ Arquivo)

No âmbito do 'Dia Mundial da Saúde', que se assinala esta quinta-feira, o Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto divulgou hoje a publicação "Registo Oncológico Nacional 2010" com os últimos números de incidência de cancro em Portugal apurados pelo Registo Oncológico Regional do Norte (RORENO) e que resulta da cooperação entre os Registos Regionais do Norte, Centro, Sul e Região Autónoma dos Açores, explica o IPO do Porto.

Dados a que a Lusa teve acesso revelam que dos cerca de 47 mil novos casos de cancro diagnosticados em Portugal em 2010, 55% são do sexo masculino e 67% foram diagnosticados em idades superiores a 60 anos.

A distribuição dos cancros não é homogénea em Portugal, sendo as maiores taxas de incidência de cancro encontradas na região litoral de Portugal Continental e na Região Autónoma dos Açores.

A região Norte de Portugal foi a que registou a taxa de incidência mais elevada para o cancro do estômago e da tiroide, enquanto na região Sul é o cancro da mama que tem ama maior incidência.

Na Região Autónoma dos Açores é o cancro da laringe e do pulmão que aparecem no topo da lista de maior incidência.

A região Centro é a zona do país que apresenta os valores mais baixos de incidência de cancro.

Os cancros mais frequentes em 2010 foram os cancros do "colorretal, próstata, mama e pulmão", que em conjunto representaram mais de metade da patologia oncológica em Portugal.

Em 2010 verificou-se um aumento de 4,5% no número de novos casos, em relação ao ano de 2009, refere a publicação.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.