sicnot

Perfil

País

Trabalhadores do Metro de Lisboa lembram Governo de promessas por cumprir

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa decidiram hoje que vão entregar ao representante do Governo na inauguração da futura estação da Reboleira, na Amadora, um documento com as suas preocupações e promessas do executivo que não foram cumpridas.

Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), o Conselho de Administração da Transportes de Lisboa apresentou na terça-feira uma proposta de Acordo de Empresa para o Metropolitano aos representantes dos trabalhadores, que hoje se reuniram em plenário.

"Ainda sem análise desta proposta, há desde logo uma coisa que nos distancia, que é o facto de não terem retirado a denúncia da convenção coletiva de trabalho, um compromisso que foi assumido inclusive pelo secretário de Estado do Ambiente no fim do ano passado. Nós entendemos que, para que possa haver uma negociação credível e séria, deve ser levado à prática", assinalou a sindicalista.

No plenário, os trabalhadores decidiram "fazer uma ação simbólica na inauguração da estação de Metro da Reboleira na Amadora, entregando ao representante do Governo um documento em que irão refletidas estas preocupações" e em que assinalarão "as promessas que foram feitas e que não estão a ser cumpridas".

Além da retirada da denúncia da contratação coletiva, os trabalhadores estão preocupados com a falta de contratação de novos trabalhadores para o Metropolitano.

A inauguração da nova estação do Metropolitano na Reboleira, com ligação à linha ferroviária de Sintra, deverá ocorrer "no início do segundo trimestre deste ano", de acordo com a Transportes de Lisboa.

A Lusa contactou a Transportes de Lisboa para obter um comentário acerca das propostas contidas no novo Acordo de Empresa, mas até ao momento não obteve resposta.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.