sicnot

Perfil

País

BE quer audição parlamentar com o ex-Chefe do Estado Maior do Exército

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda requereu a audição do ex-Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), general Carlos Jerónimo, que hoje pediu a demissão, segundo um requerimento a que a agência Lusa teve acesso.

NUNO VEIGA

Segundo o Bloco de Esquerda (BE), o pedido de demissão do general Carlos Jerónimo "terá decorrido da publicação de declarações do atual subdiretor do Colégio Militar, o tenente-coronel António José Ruivo Grilo.

O general Carlos Jerónimo apresentou hoje um pedido de demisasão ao Presidente da República, um pedido que foi aceite por Marcelo Rebelo de Sousa que é, por inerência, o Comandante Supremo das Forças Armadas.

"Nestas declarações, de particular gravidade, o tenente-coronel aborda diretamente a questão da homossexualidade naquela instituição, reconhecendo e legitimando a existência de práticas discriminatórias de alunos homossexuais", acrescenta o requerimento do BE enviado à Assembleia da República.

Assim, o Bloco pretende ouvir o ex-CEME para saber se era do conhecimento da hierarquia militar a discriminação em função da orientação sexual no Colégio Militar, se esta discriminação era a orientação das chefias e se já tinha havido denúncias sobre esta discriminação.

O BE quer ainda conhecer se já tinham sido aplicadas medidas para terminar com a situação.

O Bloco recorda que ao abrigo do artigo 13.º da Constituição da República Portuguesa, que consagra o princípio da igualdade, a orientação sexual não pode, em nenhum caso, constituir um fator de discriminação e/ou de exclusão do gozo e do exercício de qualquer direito.

Razão pela qual pretende saber se é "com o peso da responsabilidade do incumprimento do instituído na Constituição que ocorreu o pedido de demissão do general Carlos Jerónimo.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15