sicnot

Perfil

País

Presidente da República promulga diploma que revê carreira do INEM

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou hoje o diploma que revê a carreira do INEM e cria o regime da carreira especial de técnico de emergência pré-hospitalar, segundo a página oficial da Presidência da República.

Os técnicos do INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica há muito que reclamavam pela falta de conclusão da carreira que estava a ser negociada com o Ministério da Saúde e que motivou greves e ações de protesto por parte destes trabalhadores.

Ainda na anterior legislatura, chegou a haver um compromisso por parte do Ministério da Saúde para a revisão e negociação da carreira, que acabou por não se concretizar.

Hoje, foi promulgado um decreto-lei que "procede à revisão da carreira de técnico de ambulância de emergência do Instituto Nacional de Emergência Médica, e cria o regime da carreira especial de técnico de emergência pré-hospitalar".

A decisão do Presidente da República é justificada com "a relevância da matéria, a garantia de que a criação da nova carreira não tem custos adicionais e o pressuposto da audição das entidades interessadas".

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.