sicnot

Perfil

País

BE quer proibir financiamento público de touradas e circos nos Açores

O Bloco de Esquerda/Açores anunciou esta segunda-feira que apresentou uma proposta na Assembleia Legislativa para proibir o financiamento público de espetáculos que inflijam sofrimento a animais, como touradas de praça e circos.

(arquivo)

(arquivo)

REUTERS

"O que nós pretendemos neste momento é vedar o financiamento público ou outros apoios públicos indiretos a espetáculos que impliquem o sofrimento ou a morte de animais", frisou o colíder do BE/Açores Paulo Mendes, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo, ilha Terceira.

O projeto de decreto legislativo regional do BE já deu entrada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores e será discutida na Comissão de Assuntos Sociais antes de ser debatido em plenário.

Segundo Paulo Mendes, o objetivo da proposta não é proibir a realização de espetáculos com animais, como as touradas, mas canalizar as verbas públicas para outras áreas.

"Numa altura em que escasseiam meios públicos para reanimar a economia e criar emprego, sem que esse emprego seja precário ou mal pago, e quando falta mesmo apoio público para, por exemplo, promover atividades culturais que não façam sofrer animais, não podemos consentir que simultaneamente se esbanje financiamento público num espetáculo tão dispendioso como é a tourada de praça", frisou.

Se for aprovado, o decreto legislativo regional vai limitar apenas os apoios concedidos pelo Governo Regional, uma vez que a Assembleia Legislativa não tem competência para vedar o financiamento público das autarquias.

O documento propõe a proibição da atribuição de subsídios e a isenção de taxas e licenças para espetáculos com fins comerciais, beneméritos ou desportivos que impliquem sofrimento físico ou psíquico de animais.

Nesse sentido, são abrangidos por esta legislação espetáculos como os circos e as touradas de praça, mas não as touradas à corda, que não cobram bilhetes.

"As touradas de praça requerem muitos meios. É um espetáculo muito caro e só é sustentável, neste momento, graças ao financiamento público", salientou Paulo Mendes.

O dirigente bloquista disse acreditar na aprovação da proposta, tendo em conta que a iniciativa é consonante com a declaração universal dos direitos dos animais, que defende que nenhum animal seja "submetido a maus-tratos e atos cruéis".

"Eu penso que faz todo o sentido que haja um consenso generalizado, porque afinal de contas ninguém quer contrariar uma declaração universal dos direitos dos animais, aprovada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) em janeiro de 1978", frisou.

Segundo Paulo Mendes, esta proposta faz parte de um pacote de iniciativas que procura cumprir o compromisso eleitoral do BE de 2012 e uma moção setorial sobre o bem-estar animal aprovada na última convenção regional do partido.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.