sicnot

Perfil

País

Jornadas Parlamentares do PCP em Trás-os-Montes

O grupo parlamentar do PCP vai estar hoje e terça-feira em Trás-os-Montes pelo desenvolvimento regional e contra as assimetrias sócio económicas do território nacional, em jornadas parlamentares centradas em Vila Real e Bragança. O objetivo do encontro é debater os problemas que afetam o interior do país. Nomeadamente tentar encontrar soluções concretas para combater as assimetrias.

Manuel Almeida

Apesar do regozijo com alguns resultados alcançados com o apoio parlamentar ao Governo do PS, também suportado por BE e PEV, o líder da bancada comunista, João Oliveira, afastou a hipótese de umas futuras jornadas parlamentares conjuntas daquilo a que se convencionou chamar "geringonça" - a solução de executivo à esquerda - como as realizadas por PSD e CDS-PP quando estiveram juntos no executivo de Passos Coelho e Paulo Portas.

"Numa circunstância de coligações governamentais, essa circunstância é natural. O quadro em que nós estamos hoje é substancialmente diferente e, portanto, não prevejo grandes possibilidades para a concretização desse projeto", disse o deputado comunista sobre aquela eventualidade.

João Oliveira manifestou o orgulho de sempre do partido no seu "contributo" através de "reflexão e propostas para a resolução dos problemas dos portugueses, dos trabalhadores e do povo".

"Nos últimos meses, os portugueses têm tido, felizmente, com exemplos concretos que se sentem nas suas vidas, as vantagens, eficácia e valor dessas propostas que o PCP apresenta", salientou, referindo-se à governação dirigida pelo socialista António Costa.

Em Trás-os-Montes, os parlamentares do PCP vão tratar de "questões relacionadas com a agricultura, setores produtivos, extração de minério e aproveitamento das riquezas naturais do país e que, em particular no interior, podem ter uma outra perspetiva de valorização se houver o investimento público adequado e uma política dirigida ao seu aproveitamento".

"No plano do emprego, dos direitos dos trabalhadores, dos serviços públicos, há um conjunto de matérias muito significativas na vida concreta e diária das populações que vivem no interior que se sentem de forma marcadamente impressiva em relação àquilo que acontece no resto do país", afirmou.

A comitiva do PCP vai começar os seus trabalhos segunda-feira com encontros com viticultores do Douro, na Régua, e com delegados e dirigentes sindicais na Sala no Arquivo Distrital de Vila Real, local da sessão de abertura, agendada para o meio-dia, com intervenções de João Oliveira e do secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa.

Pela tarde, os deputados visitam a aldeia de Tourencinho, Vila Pouca de Aguiar, seguindo-se nova reunião com membros dos concelhos diretivos e compartes dos baldios trasmontanos.

Os diversos grupos de trabalho têm ainda encontros marcados com o reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, uma visita Hospital de Chaves, ao Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, à escola secundária de Mirandela e outro encontro com a direção distrital de Bragança da Ordem dos Advogados.

Terça-feira, antes da sessão de encerramento, agendada para as 14:30 no Museu Abade Baçal, em Bragança, os representantes do povo eleitos pelo PCP vão estar no Instituto Politécnico bragantino, no Hospital de Macedo de Cavaleiros e com a direção da Unidade Local de Saúde de Bragança.

O dia contempla ainda a visita ao complexo industrial do Cachão e a uma estação de comboios da Linha do Tua.

Estas serão as primeiras jornadas parlamentares comunistas da XIII Legislatura, depois de em fevereiro de 2015 os deputados do PCP terem estado na região de Aveiro, dedicados à "produção nacional" e "emprego com direitos"

Com Lusa

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.