sicnot

Perfil

País

Preparação de partos em meio aquático atrai casais de todo o país à Póvoa de Varzim

O Serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim/Vila do Conde é o único do país a disponibilizar cursos gratuitos de preparação para o parto em meio aquático.

As aulas de preparação decorrem nas piscinas municipais da Póvoa de Varzim.

As aulas de preparação decorrem nas piscinas municipais da Póvoa de Varzim.

O projeto, que já se desenvolve há três anos, tem contribuído para o aumento de nascimentos naquele hospital, atraindo cada vez mais casais às aulas de preparação que decorrem nas piscinas municipais da Póvoa de Varzim,

O objetivo dos cursos é preparar as futuras mães para o processo de parto, com exercícios variados que simulam alguns dos procedimentos que vão acontecer na altura de dar à luz, conferindo às parturientes uma maior consciencialização.

"As grávidas realizam na piscina os exercícios que irão, depois, fazer na sala de parto, com a presença do convivente significativo [companheiro], o que é importante para estreitar os laços e criar mecanismos de preparação", disse Irene Cerejeira, enfermeira chefe do Serviço de Obstetrícia.

Segundo a responsável, a adesão a estes cursos ronda os 30 por cento dos casais que procuraram o serviço do Centro Hospitalar, considerando que "as experiências positivas perspetivam que cada vez mais grávidas adiram a esta iniciativa".

"As aulas, que decorrem à hora do almoço, são de 60 minutos e podem acolher com dez casais. São dadas por enfermeiras do nosso serviço com formação específica nesta área, e são completamente gratuitas".

Irene Cerejeira vincou que "esta preparação em meio aquático não significa que o parto se vá realizar na água", lembrando que "dá mais ferramentas para que as mães possam passar por todo o processo, na sala de partos, com maior preparação, conhecimentos e tranquilidade, ajudando a que o bebé nasça de forma mais saudável ".

Isso mesmo comprovou Rosália Silva, que escolheu participar neste curso "por ser inovador e gratuito", garantindo que as aulas a ajudaram a que "passasse pelo processo com maior relaxamento".

"Tive o meu bebé de parto natural e esta preparação ajudou-me muito, pois além de ter partilhado experiências com outros casais promoveu a proximidade com as enfermeiras e mesmo com o meu marido, o que me deu maior tranquilidade", disse a parturiente.

Rosália considerou que o facto de o marido participar ajudou a que "ele sentisse o nascimento de outra maneira emocionalmente, mas, sobretudo com uma maior preparação ajudar".

Manuel Morim, médico e diretor do serviço, partilhou que esta iniciativa tem atraído ao Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim/Vila do Conde casais de outros concelhos para integrarem as aulas, lembrando que a unidade "é única do Serviço Nacional de Saúde que faz esta preparação de forma gratuita".

"Fomos dos poucos serviços da região onde subiram o número de nascimentos no ano passado e temos tido gente de todo o país a procurar-nos. Já tivemos casais Espinho, Vila Nova de Gaia, Paredes, Trofa, e até do Algarve", vincou o clínico.

A comprovar o sucesso do projeto, ainda recentemente o Centro Hospitalar recebeu a visita de uma parteira norte-americana, perita mundial em parto na água, que elogiou o projeto e deixou algumas indicações para melhorar a eficiência do mesmo.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.