sicnot

Perfil

País

Sócrates diz que alvoroço diário de Marcelo serve para ultrapassar frustração

O antigo primeiro-ministro português José Sócrates afirmou hoje ver "o alvoroço diário" do Presidente da República como uma forma de Marcelo Rebelo de Sousa "ultrapassar a frustração" por ter estado 20 anos afastado da vida política.

Francisco Seco/ AP (Arquivo)

Em entrevista ao jornal espanhol El País, José Sócrates considera que o atual Presidente português "sempre foi um personagem em busca do seu papel político", objetivo que "finalmente descobriu".

Para o antigo primeiro-ministro português, Marcelo Rebelo de Sousa fez "do papel dos afetos" todo "um novo programa político".

Admitindo que nunca gostou do interesse de Marcelo Rebelo de Sousa em querer agradar a todos, Sócrates refere ao El País que vê "o alvoroço diário da sua presidência como uma necessidade de ultrapassar a frustração por ter estado afastado da política durante 20 anos".

Segundo o antigo primeiro-ministro, a sua própria candidatura à presidência da República foi impedida pela direita política através de acusações de corrupção "sem factos nem provas".

A acusação de corrupção transformou-se "num instrumento jurídico para destruição política", já que "não são precisos factos nem provas e basta acusar para que haja um efeito de assassinato político", diz, comparando o seu caso ao do antigo Presidente brasileiro Lula da Silva.

"Houve uma detenção abusiva e julgamentos populares sem possibilidade de defesa", afirma, lembrando ter estado nove meses detido "sem acusação ou acesso ao processo".

José Sócrates conclui: o objetivo "era impedir a minha candidatura à presidência do país e conseguir que o Partido Socialista não ganhasse as eleições. Conseguiram ambos."

José Sócrates, que deixou o Governo em 2011, depois de ter pedido um resgate financeiro à troika, refere hoje que os anos de aplicação da política de austeridade, entre 2010 e 2015, "foram terríveis", tendo deixado "um rasto de pobreza" e aumentado as desigualdades sociais.

"Agora adotamos na Europa a mesma política que os Estados Unidos aplicaram em 2008, a expansão monetária, mas, na altura, o norte da Europa dizia-nos que queríamos 'dinheiro fácil'".

Considerando que os tempos atuais constituem "uma grande desilusão" para quem via "o projeto europeu como o ideal político da sua geração", Sócrates diz que a impressão com que se fica é que o projeto europeu "em vez de avançar, recua".

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.