sicnot

Perfil

País

Terceiro suspeito do tiroteio na Ameixoeira ficou em prisão preventiva

Um terceiro suspeito do tiroteio ocorrido no bairro da Ameixoeira, em Lisboa, há quase duas semanas, detido na sexta-feira em Ponte de Lima, ficou em prisão preventiva, informou hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

Arquivo

Arquivo

MÁRIO CRUZ

Numa nota publicada na página da internet, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa refere que o homem, de 26 anos, "ficou fortemente indiciado pela prática de três crimes de homicídio qualificado na forma tentada, do crime de participação em rixa e de um crime de detenção de arma proibida".

Na noite de 29 de março, três agentes da Polícia de Segurança Pública e duas mulheres civis foram baleados durante confrontos entre famílias rivais no bairro da Ameixoeira, na Alta de Lisboa.

Segundo a Polícia Judiciária, este suspeito, em conjunto com outros dois homens já detidos, "efetuou vários disparos na via pública, os quais vieram a atingir e ferir três elementos da Polícia de Segurança Pública que tinham acorrido ao local, assim como duas outras pessoas".

O homem tinha-se posto em fuga após o tiroteio, "vindo agora, após a realização de múltiplas diligências da Polícia Judiciária com a colaboração da Polícia de Segurança Pública de Viana do Castelo, a ser localizado e detido no concelho de Ponte de Lima".

Dois outros suspeitos do tiroteio, tio e sobrinho, tinham já sido detidos há uma semana, "por fortes indícios" da prática de crimes de homicídio na forma tentada.

Depois de presentes a primeiro interrogatório judicial, um dos homens, de 42 anos, ficou em prisão preventiva, enquanto o outro, de 24 anos, saiu em liberdade, com obrigatoriedade de apresentações semanais na esquadra de residência.

A Inspeção-Geral da Administração Interna anunciou, entretanto, a abertura de um inquérito para apurar "todos os factos" relacionados com o tiroteio ocorrido no bairro.

Com Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.