sicnot

Perfil

País

Primeiro-ministro esclarece que amigo Lacerda Machado ganha dois mil euros

Diogo Lacerda Machado vai ganhar dois mil euros mensais pelo trabalho de consultadoria estratégica e jurídica para o Estado e será pago na forma de avença. O gabinete do primeiro-ministro acaba de esclarecer os termos da contratação do amigo de António Costa.

© Rafael Marchante / Reuters

Na nota enviada à Comunicação social, refere-se que Diogo Lacerda Machado terá um contrato de prestação de serviços de consultadoria em assuntos de elevada complexidade e especialização.


Isto é: a emissão de pareceres jurídicos relativos a assuntos indicados pelo gabinete do primeiro ministro, a assessoria no âmbito de processos negociais, incluindo mediação e conciliação e ainda a "elaboração de relatórios, acordos e outros documentos relativos a contratos a celebrar.


Na nota explicativa, (que pode ler em baixo na íntegra) António Costa faz ainda questão de afirmar que entende que não existem razões para por em causa a colaboração, rejeitando assim as críticas que têm sido feitas pela relação pessoal que Lacerda Machado tem com o primeiro ministro.

Nota do Primeiro Ministro

Face às dúvidas que têm sido suscitadas sobre a colaboração que me tem sido prestada pelo Dr. Diogo Lacerda Machado, venho publicamente esclarecer o seguinte:


O Dr. Diogo Lacerda Machado tem colaborado em diversas matérias no âmbito das minhas funções, tendo nessa qualidade já participado:

Em negociações conduzidas pelo Ministro do Planeamento e Infraestruturas e que permitiram ao Estado garantir a participação em 50% do capital da TAP;

Na construção da solução prevista no memorando de entendimento entre o Governo, o Banco de Portugal, a CMVM, o BES e Associação de Defesa dos Clientes Bancários Lesados, Investidores em Papel Comercial tendo em vista explorar a possibilidade de encontrar eventuais soluções para minorar as perdas económicas e financeiras sofridas pelos investidores não qualificados titulares de papel comercial emitido pelo Grupo Espirito Santo;

Como mediador, sempre que as partes o consideraram útil e conveniente, no processo relativo à desconsolidação financeira entre o BPI e o BFA.

2. Apesar de não existirem quaisquer razões para pôr em causa a colaboração tal como tem vindo a ser prestada, julguei atendível a critica de que a forma dessa colaboração podia significar a desconsideração do valor do trabalho.


3. Por isso, dei instruções para que fosse formalizada a contratação do Dr. Diogo Lacerda Machado como consultor do gabinete do Primeiro- Ministro.


4. Assim, foi submetido por via eletrónica, no dia 7 de Abril, ao INA - Direcção-Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas, o pedido de parecer que constitui condição prévia da contratação, nos termos que resultam da aplicação da Portaria nº 48/2014, de 26 de Fevereiro e da Lei n.º 80/2013, de 28 de Novembro.
Tendo ontem recebido o parecer favorável do INA, o procedimento de contratação está em condições de prosseguir a restante tramitação legal, que terminará com a assinatura do contrato e a sua publicitação no portal dos contratos públicos, no estrito cumprimento da lei.


5. De qualquer modo posso desde já adiantar que o contrato tem por objeto a prestação de serviços de consultadoria estratégica e jurídica, na modalidade de avença, em assuntos de elevada complexidade e especialização, que inclui designadamente:

a. Emissão de pareceres jurídicos relativos a assuntos indicados pelo GPM;

b. Assessoria no âmbito de processos negociais, incluindo mediação e conciliação; e

c. Elaboração de relatórios, acordos, memorando e demais documentos que lhe sejam solicitados no âmbito das prestações objeto do contrato a celebrar.

Prevê a remuneração mensal bruta de 2.000€, acrescido de IVA à taxa legal em vigor e com a duração até 31 de dezembro de 2016.
6. Quero agradecer publicamente a colaboração já prestada pelo Dr. Diogo Lacerda Machado e felicitá-lo pelos resultados alcançados, recordando que desde o dia 11 de abril está marcada a sua audiência na Assembleia da República a propósito da intervenção nas negociações relativas à TAP.


Lisboa, 12 de abril de 2016

  • O “amigo” de Costa e o pin na lapela do Bloco de Esquerda

    Bernardo Ferrão

    As dúvidas sobre o papel/atuação do “melhor amigo” de António Costa enquanto negociador do Estado não são novas. Mas o que agora surpreende (ou talvez não!) é a reação do primeiro-ministro. É inacreditável que Costa considere que estava tudo bem na relação muito pouco clara entre o Estado e Lacerda Machado. Uma relação graciosa e sem enquadramento legal, que nada tem de “fait-divers”.

  • Quem é Diogo Lacerda Machado
    3:51

    País

    Diogo Lacerda Machado é o homem que fez a ponte no acordo entre o BPI e o Caixabank com o Estado. O PSD quer ter acesso ao contrato celebrado entre o primeiro-ministro e o seu amigo, que participou em vários processos negociais em representação do Estado, mesmo antes de ser contratado oficialmente.

  • Diogo Lacerda Machado no Parlamento dia 27 para explicar relação com o Estado
    2:32

    País

    O advogado e amigo de António Costa, Diogo Lacerda Machado, vai explicar-se no Parlamento no final deste mês, dia 27. O primeiro-ministro pediu ao amigo para o representar em negociações de temas complexos, como a TAP, o que foi feito a título privado, sem qualquer contrato nem regulação. Perante isto, a oposição e o próprio Bloco de Esquerda querem esclarecimentos adicionais. O Governo diz que já recebeu parecer favorável da Direção-Geral para assinar contrato com Diogo Lacerda Machado

  • PSD quer aceder ao contrato de Diogo Lacerda Machado para representar o Estado
    0:36

    Economia

    O deputado do PSD Luís Leite Ramos anunciou hoje que o partido vai requerer o acesso ao contrato que o primeiro-ministro assinou com Diogo Lacerda Machado. A decisão surge depois de António Costa ter assumido que Diogo Lacerda Machado o representou informalmente em várias negociações que estão em curso, como na TAP, no caso dos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo e também no BPI.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11