sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê, nas regiões do norte e centro, céu geralmente muito nublado, aguaceiros, por vezes fortes no litoral a norte do Cabo Mondego, passando a períodos de chuva nas regiões do litoral no final do dia, queda de neve acima de 1200/1400 metros, subindo gradualmente a cota para os pontos mais altos da Serra da Estrela e possibilidade de ocorrência de trovoada.

A previsão aponta ainda para vento moderado do quadrante sul, soprando por vezes forte com rajadas até 70 quilómetros por hora no litoral a partir da tarde e nas terras altas será moderado a forte, tornando-se gradualmente forte com rajadas até 90 quilómetros por hora a partir da tarde.

Está ainda prevista uma pequena subida da temperatura mínima.

No sul, prevê-se períodos de céu muito nublado, aguaceiros, diminuindo de intensidade e de frequência a partir do meio da tarde e vento fraco a moderado do quadrante sul, soprando moderado a forte com rajadas até 70 quilómetros por hora nas terras altas a partir do final da tarde.

Em Lisboa as temperaturas vão oscilar entre 12 e 17 graus Celsius, no Porto entre 11 e 16, em Vila Real entre 06 e 14, em Viseu entre 05 e 14, em Bragança entre 05 e 14, na Guarda entre 04 e 11, em Coimbra entre 10 e 17, em Castelo Branco entre 08 e 16, em Santarém entre 09 e 19, em Évora entre 08 e 19, em Beja entre 09 e 19 e em Faro entre 12 e 19.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.