sicnot

Perfil

País

Portugueses com nível baixo de escolaridade e pouca vontade de melhorar

O perfil médio de escolaridade dos portugueses adultos é "bastante baixo" a nível da Europa, e mesmo assim os que procuram melhorar qualificações são uma minoria, indica um estudo que é hoje divulgado em Lisboa.

CARLOS BARROSO

O estudo, com o objetivo de aprofundar o conhecimento da importância social da educação em Portugal, envolveu 1.201 entrevistas com pessoas (mais de 18 anos) de todo o país, a maioria (63%) com escolaridade inferior ao 9.º ano.

Das conclusões salienta-se que só uma minoria dos entrevistados procura melhorar as qualificações ao longo da vida (ainda que quando o fazem quase sempre cumprem o objetivo), sendo os mais escolarizados os que também mais procuram aumentar o nível na educação.

"Apenas 13% dos inquiridos com escolaridade até ao nível básico 2 o fizeram", uma percentagem que sobe para 30% para os mais escolarizados, indica-se no documento.

Apesar de grande parte dos inquiridos (62%) dizer que gostaria de ter mais estudos, só 28% tem intenção de voltar a estudar. Com o aumento da idade "diminui acentuadamente" a intenção de voltar à escola, conclui-se também.

Na área da educação, formação e vida profissional mais de 80% dos inquiridos respondeu que considera útil os estudos obtidos e 68% disse que as qualificações escolares eram suficientes (atendendo ao trabalho que fazem), com os restantes a dizerem que esse estudos ou eram superiores ou inferiores ao que necessitavam. A maioria (67%) disse que os estudos eram suficientes para permitir progressão profissional.

O estudo, EDULOG, Think Tank da Educação, da Fundação Belmiro de Azevedo, analisa a relação família e escola e conclui que quanto mais baixo é o nível de ensino dos pais mais probabilidade há de os filhos terem reprovado.

"Observa-se uma relação muito acentuada entre a escolaridade e a ajuda prestada pelos pais nas atividades da escola. Mais de 90% dos pais com ensino superior declara ajudar habitualmente os filhos nas atividades escolares", mas "apenas 21% dos inquiridos com escolaridade até ao básico 1 declaram ajudar os filhos nessas atividades", um terço a assumir que não o faz porque não consegue.

Mais de 80 por cento dos inquiridos deu grande importância à educação, não só para melhor compreender o mundo mas também como fator decisivo na área profissional, mas ainda assim 52% considerou que se atribui hoje demasiada importância à educação e à escola.

O estudo sobre o valor atribuído pelos portugueses à educação foi conduzido por Patrícia Ávilla, do ISCTE (Universidade), e por Carlos Liz, da IPOS APEME (empresa de análise e estudo de mercados).

O estudo é apresentado no Convento do Beato, em Lisboa.

Lusa

  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.