sicnot

Perfil

País

Portugueses com nível baixo de escolaridade e pouca vontade de melhorar

O perfil médio de escolaridade dos portugueses adultos é "bastante baixo" a nível da Europa, e mesmo assim os que procuram melhorar qualificações são uma minoria, indica um estudo que é hoje divulgado em Lisboa.

CARLOS BARROSO

O estudo, com o objetivo de aprofundar o conhecimento da importância social da educação em Portugal, envolveu 1.201 entrevistas com pessoas (mais de 18 anos) de todo o país, a maioria (63%) com escolaridade inferior ao 9.º ano.

Das conclusões salienta-se que só uma minoria dos entrevistados procura melhorar as qualificações ao longo da vida (ainda que quando o fazem quase sempre cumprem o objetivo), sendo os mais escolarizados os que também mais procuram aumentar o nível na educação.

"Apenas 13% dos inquiridos com escolaridade até ao nível básico 2 o fizeram", uma percentagem que sobe para 30% para os mais escolarizados, indica-se no documento.

Apesar de grande parte dos inquiridos (62%) dizer que gostaria de ter mais estudos, só 28% tem intenção de voltar a estudar. Com o aumento da idade "diminui acentuadamente" a intenção de voltar à escola, conclui-se também.

Na área da educação, formação e vida profissional mais de 80% dos inquiridos respondeu que considera útil os estudos obtidos e 68% disse que as qualificações escolares eram suficientes (atendendo ao trabalho que fazem), com os restantes a dizerem que esse estudos ou eram superiores ou inferiores ao que necessitavam. A maioria (67%) disse que os estudos eram suficientes para permitir progressão profissional.

O estudo, EDULOG, Think Tank da Educação, da Fundação Belmiro de Azevedo, analisa a relação família e escola e conclui que quanto mais baixo é o nível de ensino dos pais mais probabilidade há de os filhos terem reprovado.

"Observa-se uma relação muito acentuada entre a escolaridade e a ajuda prestada pelos pais nas atividades da escola. Mais de 90% dos pais com ensino superior declara ajudar habitualmente os filhos nas atividades escolares", mas "apenas 21% dos inquiridos com escolaridade até ao básico 1 declaram ajudar os filhos nessas atividades", um terço a assumir que não o faz porque não consegue.

Mais de 80 por cento dos inquiridos deu grande importância à educação, não só para melhor compreender o mundo mas também como fator decisivo na área profissional, mas ainda assim 52% considerou que se atribui hoje demasiada importância à educação e à escola.

O estudo sobre o valor atribuído pelos portugueses à educação foi conduzido por Patrícia Ávilla, do ISCTE (Universidade), e por Carlos Liz, da IPOS APEME (empresa de análise e estudo de mercados).

O estudo é apresentado no Convento do Beato, em Lisboa.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.