sicnot

Perfil

País

Protesto em Lisboa exige libertação de ativistas angolanos detidos

A libertação imediata dos ativistas angolanos detidos voltou a ser o mote de uma nova concentração que hoje decorreu frente à sede da representação da Comissão Europeia em Lisboa, e que incluiu uma simbólica representação teatral.

Arquivo

No largo Jean Monnet, cartazes amarelos da Amnistia Internacional com as frases "Direitos humanos em Angola, já!" e "Liberdade de expressão em Angola" iam sendo distribuídos, após a ONG ter de novo decidido comparecer na iniciativa convocada pela plataforma Liberdade aos Ativistas Presos em Angola, à qual também se juntou a SOS Racismo.

"As iniciativas baseiam-se sempre no mesmo, no pedido de libertação dos presos políticos em Angola, sem penas suspensas, sem prisão domiciliária, sem meias tintas", disse à Lusa Pedro Coquenão, após instalar uma pequena aparelhagem de som e colocar o microfone "à disposição de quem quiser falar".

"Houve uma condenação, estamos à espera do que se vai seguir, espera-se um recurso e um apelo e que dê o resultado que estamos a pedir, enquanto isso não acontecer vamos continuar", adiantou o membro da LAPA.

Entre os presentes, outro ativista distribuía panfletos que alertavam para o estado de saúde de Nuno Dala, um dos ativistas detidos e em greve de fome há 35 dias. Ao microfone, Pedro Coquenão esclareceu que "são falsas, pelo menos até agora" as informações que referiam o fim deste protesto.

"Com greve de fome, sem greve de fome, o pedido será sempre o mesmo, a libertação dos presos políticos. É nisso que estamos focados. Por enquanto estamos a viver mais uma greve de fome dramática, do Nuno Dala, que caso se concretize hoje perfaz 35 dias, sem final ainda confirmado", assinalou.

"E há estados de saúde obviamente frágeis de outros presos, nomeadamente o Nito Alves. Drama não falta, para além da questão básica de ausência de liberdade e de justiça", adiantou.

Máscaras improvisadas com as faces dos alguns dos ativistas foi outro gesto de solidariedade protagonizado por alguns dos participantes, enquanto um grupo de jovens atores iniciava uma pequena representação, junto a uma faixa com as cores da bandeira angolana e a frase "Liberdade aos presos políticos".

Os seis atores, protegidos por um colorido pano africano, foram emitindo frases soltas, de indignação, revolta, esperança.

"Aderimos a esta iniciativa devido a esta situação de falta de liberdade, de falta de respeito pelos direitos humanos. Nem sequer deveriam ter sido julgados e presos", referiu à Lusa Filipa Duarte, que integra este grupo Teatro e Comunidade, e ainda a companhia de teatro Retratos Reais.

"É um teatro de intervenção, teatro de rua. Há uma mudança social, temos de fazer uma leitura do social, com o que está a acontecer à nossa volta. É um teatro de intervenção, da estética do oprimido, que faz com que se sintam emoções mas se tomem decisões que provoquem um pensamento crítico, mas onde também as pessoas ajam e se envolvam", acrescentou, numa referência ao projeto cultural.

No final da performance, dezenas de pessoas gritaram "Liberdade, Já". Depois, algumas aproximaram-se do microfone para lançarem frases de protesto.

De seguida, estabelece-se uma ligação telefónica com Angola, com o 'rapper' Carbono a exigir desde Luanda a libertação dos detidos.

"Isto não tem a ver com política, tem a ver com vida", alguém assinalou.

Um tribunal de Luanda condenou em 28 de março a penas entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses de prisão efetiva os 17 ativistas angolanos julgados por coautoria de atos preparatórios para uma rebelião.

Os ativistas, que estavam a ser julgados desde 16 de novembro, foram igualmente condenados por associação criminosa pelo tribunal.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.