sicnot

Perfil

País

Concessão de centrais do Alqueva à EDP não salvaguardou interesse público

O interesse público não foi devidamente salvaguardado no contrato de concessão por ajuste direto à EDP das duas primeiras centrais hidroelétricas do Alqueva, no Alentejo, em 2007, segundo uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC).

Construção da barragem do Alqueva, no Alentejo, 2001.

Construção da barragem do Alqueva, no Alentejo, 2001.

(Reuters/Arquivo)

"Trata-se de um contrato cujas ações prévias demonstram que o interesse público não foi devidamente salvaguardado" na concessão das centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão, refere o relatório da auditoria do TdC, a que a agência Lusa teve hoje acesso.

A auditoria, explica o TdC, apreciou "o ´value for Money` [relação qualidade/preço] subjacente à fórmula de negociação, contratação e gestão do contrato de exploração e subconcessão das duas centrais, assinado em 2007, entre a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) e a EDP Produção.

A EDIA, que detém a concessão da utilização da água para rega e produção de energia no Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva (EFMA), subconcessionou à EDP, em 2007, "por ajuste direto" e "por 35 anos, mais cinco do que inicialmente estimado", a exploração das centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

O "valor global do negócio da exploração das duas centrais hidroelétricas", disse o TdC, foi fixado em 638,45 milhões de euros [montante inicial de 195 milhões acrescido de rendas anuais de 12,7 milhões], sem que este valor tenha sido "precedido de um estudo de suporte à sua base de cálculo".

A subconcessão por ajuste direto ocorreu "não obstante ter sido ponderada" pela empresa e pelo Governo "a realização de um concurso público internacional e/ou a criação de uma empresa pública, cujo capital seria maioritariamente detido pela EDIA".

Estas opções "foram abandonadas" em substituição do ajuste direto "sem a devida fundamentação técnica e num quadro legal não compatível com o procedimento adotado", refere o TdC.

Para a escolha deste procedimento, por decisão do acionista único da EDIA, o Estado, segundo o TdC, "foram invocados os ´direitos adquiridos` pela EDP com base num quadro legislativo de referência que tinha sido alterado e num protocolo e acordo celebrado entre as duas empresas em 1995".

"Não foi apresentada ao TdC prova documental que certifique a existência de um direito adquirido, ou uma expectativa jurídica, da EDP à exploração" da central do Alqueva, que "justificasse realizar, por ajuste direto, o contrato de subconcessão da exploração e da utilização do domínio público hídrico, o qual deveria ter sido precedido de um procedimento concorrencial, nos termos da legislação comunitária em vigor", diz a auditoria.

Por outro lado, "a adjudicação em causa, homologada pela tutela, também não foi precedida de consulta ao mercado, nem apresentada fundamentação técnica ou estudo que demonstrasse que aquela era a única solução possível", refere o TdC, defendendo que "a salvaguarda do princípio da concorrência no mercado de energia e dos princípios gerais de contratação pública exigia uma atuação diferente por parte do Estado, em defesa do interesse público".

Em sede de contraditório, a EDIA informou que, embora a opção por ajuste direto "tenha sido claramente uma opção" do Estado, mediante diploma legal, "admite-se que a mesma se tenha suportado numa fundamentação técnica baseada na alegação da existência de direitos adquiridos pela EDP".

No entanto, refere o TdC, "esta justificação não se coaduna" com as conclusões de um parecer jurídico da EDIA, "no qual se conclui que não existem direitos adquiridos por parte da EDP com base no protocolo assinado" em 1995.

Na auditoria hoje divulgada, o Tribunal de Contas refere ainda que, entre 2007 e 2014, pela exploração das duas centrais, a EDP pagou à EDIA cerca de 341,9 milhões de euros, o que inclui o pagamento inicial de 195 milhões, as rendas e os montantes da revisibilidade da compensação financeira.

Trata-se de um valor "abaixo do inicialmente previsto", devido à "diminuição da renda anual" ao não ter sido reforçada a potência da central de Pedrógão e devido ao "diferendo entre as duas empresas relativamente ao apuramento dos valores da ´revisibilidade da compensação financeira`", revela o TdC, acrescentando que o montante também "diminui significativamente quando descontado o incentivo ao investimento concedido pelo Estado" à EDP.

O pagamento inicial da EDP à EDIA "foi imediatamente canalizado para o Estado como compensação financeira da concessão" e "constituiu receita do Estado", que contribuiu para atenuar o défice público em 2007.

Por outro lado, o Estado, "por razões orçamentais, atribuiu à EDIA dotações de capital insuficientes e extemporâneas, face ao esforço do investimento realizado, que contribuíram para aumentar o endividamento desta empresa".

Lusa

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.