sicnot

Perfil

País

Desigualdades entre as crianças acentuaram-se em muitos países ricos

As desigualdades entre as crianças mais desfavorecidas e as restantes têm vindo a aumentar em muitos países ricos, denuncia a UNICEF num relatório hoje divulgado. Em 19 dos países analisados, incluindo Portugal, Espanha, Grécia, e Itália, as crianças mais pobres dispõem de menos de metade dos rendimentos da criança média do seu país.

© Rafael Marchante / Reuters

Intitulado "Equidade para as crianças: Uma tabela classificativa das desigualdades de bem-estar das crianças nos países ricos", o relatório classifica 41 países, incluindo os da União Europeia e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

Em geral, o estudo conclui que os rendimentos das famílias que estão abaixo da média têm aumentado mais lentamente do que os que estão na metade superior, o que aumenta a desigualdade e acentua a pobreza entre as crianças do primeiro grupo.

Em numerosos países, "o fosso aumentou ainda mais entre as crianças mais desfavorecidas e os seus pares desde os anos 2000", pode ler-se no documento.

Em 19 dos países analisados, incluindo Portugal, Espanha, Grécia, e Itália, as crianças mais pobres dispõem de menos de metade dos rendimentos da criança média do seu país.

Um dos dados que mais se destaca é que dois dos países mais ricos do mundo, o Japão e os Estados Unidos, estão no terço inferior da classificação de desigualdade segundo o rendimento.

O relatório da UNICEF mede os níveis de desigualdade entre as crianças, não só em função dos rendimentos das famílias, mas também em função da educação, da saúde e do nível de satisfação que eles próprios manifestam.

Uma das conclusões é que "nenhum país conseguiu verdadeiramente reduzir a desigualdade no que diz respeito aos problemas de saúde sinalizados pelas crianças" (dores de cabeça, de costas, de barriga, insónia).

Em 25 dos países abrangidos as desigualdades agravaram-se mesmo, em particular na Irlanda, Malta, Polónia e Eslovénia.

Entre os adolescentes, "as disparidades entre sexos são generalizadas e persistentes" em questões de saúde, com as raparigas a manifestar mais problemas de saúde.

Em dez países, as disparidades de género aumentaram desde 2002, nomeadamente no Canadá, Estados Unidos da América, Reino Unido e Suécia. Estas diferenças tendem a manter-se na idade adulta.

Na educação, "muito poucos países conseguiram reduzir simultaneamente a taxa de sucesso escolar e o número de alunos com dificuldades na leitura".

Alguns países considerados exemplares, como a Finlândia e a Suécia, viram mesmo aumentar as desigualdades e baixar o desempenho escolar.

Em todos os países da OCDE, as crianças mais desfavorecidas têm um atraso equivalente a três anos de escolaridade na leitura em relação à média.

Quanto à "satisfação na vida", a desigualdade agravou-se em mais de metade dos países.

Mas também há boas notícias: as desigualdades nos níveis de atividade física e dos hábitos alimentares diminuíram na maioria dos países ricos.

A UNICEF reconhece em conclusão que o nível de rendimento e a situação familiar condiciona de forma relevante as oportunidades de êxito de uma criança.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.