sicnot

Perfil

País

Suspensas obras de extensão do Passeio Marítimo de Oeiras

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra suspendeu provisoriamente as obras de extensão do Passeio Marítimo de Oeiras, na zona de Caxias, na sequência de uma providência cautelar interposta pela associação Vamos Salvar o Jamor, anunciou hoje esta entidade.

facebook.com/Vamos-Salvar-O-Jamor

A Câmara de Oeiras assegurou, contudo, que não foi notificada para responder a qualquer providência cautelar e sublinhou que a obra "decorreu do cumprimento de todos os trâmites legais e técnicos exigidos e obteve pareceres favoráveis de todas as instituições competentes".

Em declarações à agência Lusa, o presidente da associação, Carlos Branco, disse que o tribunal fundamentou a sua decisão com base nos mesmos argumentos expostos pelo grupo, relacionados com o risco de destruição da praia de Caxias e da vida marinha daquela zona ribeirinha.

"As obras são ilegais, não há nenhum estudo de impacte ambiental e há um receio fundamentado, com o qual o tribunal concordou, de que sejam irreversíveis", referiu.

Carlos Branco sublinhou que a obra irá fazer desaparecer a praia de Caxias, além das consequências ambientais na orla costeira e na fauna marinha.

O responsável mostrou-se satisfeito com a decisão judicial, mas sublinhou que a suspensão das obras é provisória e que o tribunal terá de ouvir a Câmara de Oeiras para depois tomar uma decisão final sobre a providência cautelar.

"Uma decisão destas por parte do tribunal, a confirmar-se, virá lesar sobretudo a população. Em termos ambientais, traria prejuízos inestimáveis, pois ali ficaria um estaleiro parado, a céu aberto, com todas as implicações ambientais e de segurança pública que tal implicaria. Estamos a meio da obra", afirmou o presidente da autarquia, Paulo Vistas, numa nota enviada à Lusa.

O autarca diz haver um "aproveitamento demagógico por parte de alguém sem rosto que se esconde atrás de uma associação, curiosamente, logo na aproximação das eleições autárquicas de 2017".

Paulo Vistas refere ainda que a obra em causa, com cerca de dois quilómetros de extensão e que inclui circuitos pedonal e ciclável, consiste em "mais um troço de um objetivo maior, que é ligar Algés a Oeiras".

Além disso, conclui, quem irá suportar os custos da eventual paragem da obra será a população, já que a indemnização ao empreiteiro sairá dos bolsos dos contribuintes.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59